Votos da emigração dão dois deputados para o PSD e mais dois para o PS

Com a contabilização dos resultados dos círculos eleitorais da Europa e Fora da Europa, o PS reforça a presença no Parlamento para 108 deputados, enquanto o PSD passa a ter 79 mandatos.

As contas das legislativas já estão fechadas. O apuramento dos votos dos círculos da emigração atribuiu dois deputados para o PSD, e dois também para o PS, vencedor das eleições de 6 de outubro. Assim, o PS reforça a presença no Parlamento para 108 deputados, enquanto o PSD passa a ter 79 mandatos.

Na Europa, o PSD, com 18,77%, e o PS, com 29,06%, elegeram um deputado cada. Também no círculo Fora da Europa, o PSD conseguiu um mandato, com 33,39% dos votos, e o PS outro, obtendo 20,19%. O PS foi assim o partido que conquistou a maior percentagem de votos no estrangeiro, 26,24% do total. Já o PSD conseguiu 23,42% dos votos dos emigrantes, valor que compara com os 43,95% obtidos no estrangeiro nas últimas legislativas, quando concorreu coligado com o CDS.

Os deputados eleitos pelo PSD foram José Cesário e Carlos Alberto Gonçalves. Já os socialistas elegeram Paulo Pisco e Augusto Santos Silva, que foi escolhido novamente para ser ministro dos Negócios Estrangeiros e terá, por isso, de ser substituído. O seguinte na lista do círculo Fora da Europa, onde o ministro foi eleito, é Paulo Porto Fernandes.

As restantes oito forças políticas com assento garantido na Assembleia da República na próxima legislatura — uma delas em coligação — mantêm o número de deputados. O Bloco de Esquerda continua a ser a terceira maior força política no Parlamento com 19 deputados, segue-se a coligação PCP-PEV com 12 mandatos, o CDS-PP com cinco e o PAN com quatro. Com um deputado cada, ficam o Chega, o Iniciativa Liberal e o Livre.

Abstenção atinge valor recorde

Estas legislativas são ainda marcadas pelos números da abstenção. Fixou-se nos 89,21% no estrangeiro, um valor que compara com os 88,5% registados nas legislativas de 2015. No entanto, em termos absolutos, votaram mais pessoas este ano. Foram 158.252 aqueles que votaram no estrangeiro, enquanto nas últimas legislativas contabilizaram-se 28.354 votantes.

Tradicionalmente, os círculos eleitorais dos emigrantes apresentam elevados níveis de abstenção, mas nestas legislativas há um efeito que distorce de alguma forma os dados. Este ano, com o recenseamento automático para os portugueses que vivem no estrangeiro, o eleitorado aumentou de 300 mil pessoas para mais de 1,4 milhões.

Ainda assim, os valores dos círculos do estrangeiro colocam a abstenção total nos 51,43%, uma taxa recorde. No conjunto do território nacional e estrangeiro, 5.251.064 pessoas votaram, o que compara com 5.408.805 votantes nas últimas legislativas, em 2015.

A contabilização dos resultados eleitorais fora de Portugal era o último passo que faltava para que pudessem ser dados os passos para o arranque da próxima legislatura que deverá acontecer já na próxima semana, com a primeira sessão da Assembleia da República e a consequente tomada de posse dos ministros pelo Presidente da República.

Quero saudar a enorme participação dos portugueses residentes no estrangeiro, o que demonstra bem que a prioridade que definimos de reforçar os laços de coesão entre a comunidade residente no território nacional e as comunidades da diáspora, reforçar os mecanismos da sua participação cívica foram um sinal importante, que se traduziram num aumento da participação eleitoral”, disse o primeiro-ministro. “É muito importante que continuemos a fortalecer esses vínculos. Porque onde está um português, está Portugal”, acrescentou.

Na passada terça-feira, após a divulgação dos nomes da sua equipa ministerial, António Costa antecipou que a tomada de posse do Governo possa acontecer a 22 ou 23 de outubro.

(Notícia atualizada às 13h12 com declarações de António Costa)

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Votos da emigração dão dois deputados para o PSD e mais dois para o PS

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião