Boeing afunda 7% e arrasta Wall Street

As principais praças norte-americanas fecharam a última sessão da semana no vermelho, mas o S&P 500 e o Nasdaq conseguiram registar ganhos no acumulado da semana.

A última sessão bolsista da semana foi vermelha para Wall Street. Penalizada por notícias empresariais negativas para as gigantes Johnson & Johnson e Boeing, bem como por dados económicos fracos vindos da China, as três principais praças fecharam com perdas.

O índice industrial Dow Jones perdeu 0,94% para 26.770,81 pontos, tendo registado perdas no acumulado da semana. Já o financeiro S&P 500 recuou 0,39% para 2.986,12 pontos e o tecnológico Nasdaq cedeu 0,83% para 8.089,54 pontos. Ambos conseguiram, ainda assim, fechar a semana no verde.

A penalizar as bolsas estiveram a Boeing e a Johnson & Johnson. A empresa de aviação afundou 6,8% para 344 dólares por ação, após a Reuters ter divulgado uma troca de mensagens entre dois funcionários que sugere que a Boeing terá enganado a Federal Aviation Administration no que diz respeito a regras de segurança.

Já a Johnson & Johnson, que se viu obrigada a retirar do mercado um produto para bebés onde foi encontrado amianto, desvalorizou 6,2% para 127,70 dólares.

O sentimento dos investidores nos EUA foi ainda castigado pela desaceleração do crescimento económico na China, conhecida esta sexta-feira. O PIB chinês cresceu 6% entre julho e setembro, o que representa o crescimento mais fraco desde 1992. A expansão compara com os 6,2% registados no trimestre anterior e com a estimativa de 6,1% dos analistas consultados pela Refinitiv. A desaceleração do crescimento económico reflete a guerra comercial que dura há 15 meses entre Beijing e Washington.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Boeing afunda 7% e arrasta Wall Street

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião