Hoje nas notícias: Governo, hackers e pobreza energética

  • ECO
  • 22 Outubro 2019

Dos jornais aos sites, passando pelas rádios e televisões, leia as notícias que vão marcar o dia.

O novo Executivo de António Costa é o maior de sempre e vai custar aos cofres do Estado pelo menos 71 milhões de euros por ano. Também nas notícias, destaque para a decisão de Nuno Artur Silva, novo secretário de Estado, de vender a “Produções Fictícias” antes de tomar posse.

Novo Governo custa mais sete milhões

O primeiro-ministro, António Costa, apresentou ao Presidente da República o maior Executivo governamental de sempre. Assim, na próxima legislatura, os 70 gabinetes que compõem o novo Governo deverão custar, pelo menos, 71 milhões de euros por ano aos cofres do Estado, uma despesa superior à do Executivo anterior em cerca de sete milhões de euros.

Leia a notícia completa no Correio da Manhã (ligação indisponível).

Nuno Artur Silva vende “Produções Fictícias” antes da tomada de posse

Foi uma das maiores surpresas na lista dos secretários de Estado do novo Governo. Nuno Artur Silva, ex-administrador da RTP com o pelouro dos conteúdos, vai ficar responsável pela pasta do cinema, audiovisual e media no novo Executivo, fazendo parte da equipa de Graça Fonseca no Ministério da Cultura. A participação na “Produções Fictícias”, empresa que fundou em 1993, foi a razão que levou ao seu afastamento do canal nacional. Agora, Nuno Artur Silva promete que vai vender a empresa antes de assumir funções: “No momento em que tomar posse como secretário de Estado, já não serei acionista da Produções Fictícias e consequentemente do Canal Q, afirmou.

Leia a notícia completa no Público (acesso condicionado).

Hackers sequestraram mais de 30 organismos públicos em 2019

Num mundo cada vez mais desenvolvido tecnologicamente, os ataques informáticos têm sido cada vez mais frequentes. Só este ano, foram 30 os organismos públicos, entre câmaras, juntas de freguesia e escolas, que foram alvos de ataques de hackers, com estes a exigirem resgates. A “vítima” mais recente é a junta de freguesia de Vinhais, que ainda tenta recuperar dados roubados na semana passada.

Leia a notícia completa no Jornal de Notícias (ligação indisponível).

Portugal desconhece quantas pessoas vivem em pobreza energética

Segundo a Comissão Europeia, há mais de 50 milhões de pessoas na União Europeia que vivem em pobreza energética, isto é, sem condições para se protegerem devidamente dos efeitos das temperaturas extremas. Em Portugal é sabido que existem casos de pessoas que vivem este tipo de privação, contudo é difícil quantificar. Ainda assim, o Governo pretende passar a fazer “uma análise a nível nacional que identifique o número de pessoas” e famílias nesta situação.

Leia a notícia completa no Público (acesso condicionado).

Empresa egípcia contrata 150 pessoas para centro tecnológico em Portugal

A Swvl, uma startup egípcia de mobilidade presente em vários países, vai estrear-se na Europa através da chegada a Portugal. Para isso, vai contratar 150 pessoas para um centro tecnológico que vai abrir em Lisboa já no próximo ano, tendo já definida “uma equipa inicial, de 20 pessoas, pronta para arrancar em janeiro”. Os restantes candidatos vão entrar por fases.

Leia a notícia completa no Diário de Notícias (acesso pago).

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Hoje nas notícias: Governo, hackers e pobreza energética

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião