Não sabe em que estado está o seu pedido de pensão? Saiba como acompanhar o processo online

Os subscritores da CGA que tenham pedido ou venham a pedir a aposentação passam a poder consultar todo o processo até à atribuição da pensão, em tempo real.

Se é funcionário público e solicitou à Caixa Geral de Aposentações (CGA) a sua aposentação, já pode consultar todo o processo de atribuição da pensão online e em tempo real. “Ao longo da história mantivemos sempre o utente na ignorância sobre o seu pedido é o valor da aposentação. Parece-nos que não é aceitável. O processo é do utente e tem direito a aceder a toda a informação sobre ele”, sublinhou Vasco Costa, diretor central da CGA, na apresentação desta na funcionalidade.

Antes de mais, para ter acesso a esta ferramenta, o subscritor tem de estar inscrito na CGA Direta, o que pode demorar alguns dias. Para isso, o utente tem de se registar na plataforma online e depois deverá aguardar o envio de uma chave de acesso provisório por correio postal para a morada constante na base de dados da CGA. De notar que, apesar de a CGA Direta ter 160 mil utentes inscritos, na sua maioria são pensionistas.

Inscrição concluída com sucesso, o funcionário público que solicitou a aposentação passa a ter no menu da direita a ferramenta em causa, sob a designação “o meu pedido”. Ao clicar nessa funcionalidade, o utente tem acesso a uma página principal, na qual está a seguinte informação: data de receção do pedido, eventuais avisos de informação requerida pela CGA, uma estimativa do prazo previsível do processo, documentação do pedido, diligências já tomadas e o estado do processo.

“No caso da CGA, não é o próprio [utente] que apresenta o pedido, é o empregador. Portanto, em muitos casos, o interessado nunca viu o pedido. Passa a ter agora essa possibilidade“, salientou Vasco Costa, referindo que, além da data de receção do pedido, é possível consultar o próprio requerimento.

Já sobre a estimativa do prazo previsível do processo, o diretor central da CGA fez questão de lembrar que há “situações diferenciadas”, nomeadamente carreiras partidas entre o regime público e a Segurança Social, pelo que o período indicado é meramente ilustrativo.

A meio desta página principal aparece uma barra horizontal, na qual o utente pode consultar o estado do processo, sendo possível clicar em cada uma dessas fases para apurar que etapas exatas já foram concluídas.

Quando o processo estiver despachado, a plataforma também dá nota disso, indicando a data de deferimento (ou indeferimento) do pedido, o valor da pensão a receber e a data em que começará a recebê-la.

Nesta página, é ainda possível consultar as diligências “que vão ocorrendo, à medida que vão ocorrendo”, bem como todos os documentos que estão agregados no processo em causa.

Esta funcionalidade abrange todos os pedidos pendentes e pedidos futuros, exceto aqueles que estão em fase de conferência, já que, no momento da consulta online, já estarão despachados.

Deste modo, o utente deixa de ter de se deslocar à CGA para fazer perguntas sobre o estado do seu processo, podendo encontrar as respostas online. “O objetivo é dar mais informação, transparência e confiança sobre como os processos ocorrem”, explicou Maria João Carioca, administradora executiva da Caixa Geral de Depósitos.

Para já, esta medida irá atingir nove mil utentes que recentemente abriram o seu processo junto da CGA.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Não sabe em que estado está o seu pedido de pensão? Saiba como acompanhar o processo online

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião