Reino Unido destrona EUA. É agora o país com quem Portugal teve o maior excedente comercial em 2018

Apesar da instabilidade gerada pelo Brexit, as empresas portuguesas continuaram a apostar nas exportações para o Reino Unido. Portugal vendeu mais 1.775 milhões de euros ao Reino Unido do que comprou.

O Reino Unido foi o país com quem Portugal teve o maior excedente comercial na troca de bens em 2018, o que se traduziu numa alteração em relação ao ano anterior quando o maior saldo positivo tinha sido registado com os EUA, revelou esta segunda-feira o Instituto Nacional de Estatística (INE).

“O maior excedente registou-se com o Reino Unido [em 2018], enquanto no ano anterior foi com os Estados Unidos”, escreve o INE na publicação divulgada esta manhã sobre o comércio internacional no ano passado. O instituto estatístico acrescenta que “o maior excedente comercial foi verificado com o Reino Unido (1.775 milhões de euros)”, mas inferior em dez milhões de euros face ao ano anterior. Segue-se na lista dos maiores excedentes França (1.571 milhões de euros) e os Estados Unidos (1.462 milhões de euros), enquanto no ano anterior foi este último país a liderar a lista de maiores excedentes. “A principal evolução positiva ocorreu no excedente comercial com Singapura, com um acréscimo de 313 milhões de euros”, diz o INE.

A mudança de posições entre o Reino Unido e os EUA mostra que, apesar da indefinição provocada pelo Brexit, as empresas portuguesas continuaram a vender produtos para o Reino Unido, e numa posição de vantagem comercial — ou seja, vendem mais do que compram. No entanto, as empresas que escoam os seus bens para o Reino Unido têm vindo a revelar preocupações com as decisões tomada naquele país em 2016, quando por referendo os eleitores escolheram abandonar a União Europeia.

Em 2018, o Reino Unido e a União Europeia chegaram a acordo em novembro, mas a saída do espaço da UE ainda não aconteceu e esta segunda-feira a UE aceitou um adiamento do Brexit para 31 de janeiro.

Apesar de ser o país com o qual Portugal tem o maior excedente, o Reino Unido não é a o país para onde Portugal mais exporta. “O Reino Unido permaneceu como quarto principal país de destino, com um peso de 6,3% (-0,3 p.p. que em 2017). As exportações para o Reino Unido cresceram 0,5% (19 milhões de euros), principalmente devido aos veículos e outro material de transporte”, diz o INE.

Do lado dos principais fornecedores não se registaram alterações face ao ano anterior. “Os principais clientes e fornecedores externos de bens a Portugal continuaram a ser Espanha, França e Alemanha. O maior défice comercial manteve-se com Espanha“, diz o INE.

Quanto aos produtos mais vendidos e comprados, “as máquinas e aparelhos mantiveram-se como principal grupo de produtos importado e exportado em 2018”.

Nesta publicação que atualiza os dados das exportações e importações de bens no ano passado, o INE reviu em baixa as exportações de 5,3% para 5,1%, acentuando a tendência de abrandamento do crescimento face a 2017, quando as vendas para o exterior aumentaram 10%.

Nas compras, houve uma revisão em alta de 8% para 8,1%, mantendo a trajetória de desaceleração face aos 13,1% de 2017.

O défice da balança comercial agravou-se em 2.887 milhões de euros face aos 2.670 milhões de euros previstos inicialmente quando o INE divulgou pela primeira vez os dados provisórios sobre o comércio internacional de bens. O défice ficou em 17.557 milhões de euros.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Reino Unido destrona EUA. É agora o país com quem Portugal teve o maior excedente comercial em 2018

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião