Que lições Portugal podia aprender com Itália na saúde?

Uma das lições que Portugal podia retirar do sistema italiano é a regionalização do sistema de saúde, defende uma associação de jovens quadros da hospitalização privada italiana.

O que é que Portugal podia aprender com Itália em matéria de saúde? Os sistemas têm bastantes semelhanças, mas divergem, por exemplo, no que toca às regiões do país, que no sistema italiano têm mais autonomia e responsabilidade administrativa e de gestão.

A conclusão é de uma associação de jovens quadros da hospitalização privada italiana, que se deslocou a Portugal para estudar o sistema de saúde português. O presidente da AIOP Giovani apontou ainda que o sistema português recorre mais aos privados do que o italiano.

“Uma coisa que seguramente em Itália é diferente de Portugal é a regionalização do sistema. Fica-se com a sensação de que o papel das regiões é mínimo em termos administrativos e de gestão“, apontou ao ECO Michele Nicchio, que lidera a delegação da AIOP Giovani, quando questionado sobre que lições o sistema português poderia retirar do italiano.

Em Portugal, existem cinco administrações regionais de saúde, do Norte, Centro, Lisboa e Vale do Tejo, Alentejo e Algarve. Na Itália, decidiu-se delegar mais poder de decisão e gestão nas regiões “por razões históricas”, explicou Michele Nicchio. “As regiões têm um alto nível de autonomia do qual podem gerir as suas atividades”, continua, apontando que “é um sistema administrativo liberal embora existam regras claras, nas quais as comunidades são responsáveis por garantir, por exemplo, um caminho de meritocracia”.

Ainda assim, o presidente da associação reiterou que “há mais semelhanças do que diferenças entre os dois sistemas“. Existe um problema comum, que é a necessidade de fixar médicos em algumas regiões, nomeadamente devido à proporção entre novos médicos especializados e médicos mais velhos que se aposentam todos os anos.

Para tentar resolver a questão, um dos projetos que a AIOP desenvolveu com o Ministério foi dar a possibilidade de os grupos privados financiarem também bolsas para médicos especializados, que tinham numerus clausus e eram suportados apenas pelo Estado, permitindo que mais pessoas tenham acesso à formação.

Uma das razões pelas quais a associação escolheu estudar o sistema português foi que apesar de funcionar de forma semelhante ao italiano, em termos numéricos, há uma maior aposta “no privado para concluir a oferta e para garantir um equilíbrio dentro do sistema”.

Em Itália, os prestadores privados enfrentam algumas barreiras para entrar no sistema de saúde, nomeadamente devido a motivos ligados à política, apontou o presidente da AIOP Giovani. Existe também um “aspeto sociológico, no sentido em que, quando se pensa num serviço público de saúde, confunde-se a publicidade dos serviços médicos e a garantia do serviço universal”, indicou.

Legislatura não terá novas PPP na saúde em Portugal

Por cá, apesar de existir interação, o papel dos privados na saúde tem sido muito discutido, nomeadamente no que diz respeito às parcerias público-privadas (PPP). Foi debatida e aprovada uma nova Lei de Bases da Saúde, que deixou por aprovar legislação sobre o regime das PPP, assunto fraturante entre a esquerda e a direita.

Óscar Gaspar, presidente da Associação Portuguesa de Hospitalização Privada (APHP), defendeu, em declarações ao ECO, que “não há nenhum bom motivo racional para acabar com o modelo”. “Os contratos foram cumpridos, os hospitais foram entregues a tempo e horas e originaram poupança ao estado”, apontou. No entanto, “há um compromisso assumido pelo partido que ganhou as eleições de não fazer novas PPP”, disse, referindo-se ao programa eleitoral do PS, sendo que esta medida foi replicada no programa do Governo.

O líder da APHP argumentou ainda que a discussão sobre a Lei de Bases “foi um debate totalmente ao lado daquilo que são ou deviam ser as prioridades na saúde em Portugal”. Para Óscar Gaspar, o país precisa de se preparar para desafios como o envelhecimento da população e o acesso à inovação e aos medicamentos e dispositivos médicos mais adequados.

“Para estes desafios seria muito importante contar com a colaboração com a iniciativa privada em geral”, reiterou. Óscar Gaspar argumentou ainda que deveria existir um orçamento plurianual da saúde, já que “a ministra da Saúde precisa de saber o que vai fazer no próximo ano, com que meios pode dar satisfação a estas necessidades”.

“Só se consegue se não houver necessidade de todos os anos haver quase uma guerra entre o Ministério das Finanças e o Ministério setorial, mas que haja um horizonte temporal que permita dar previsibilidade também a saúde”, sublinhou o presidente da APHP.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Que lições Portugal podia aprender com Itália na saúde?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião