Afinal, quanto custa ir ao Web Summit?

O Web Summit começa esta segunda-feira, mas quanto custa ir ao evento? A resposta é... depende. Os últimos bilhetes foram vendidos a mais de 1.000 euros.

Paddy Cosgrave trouxe o Web Summit da Irlanda para Portugal em 2016.Web Summit/Flickr

O corrupio dos bilhetes e pedidos de acreditação para o Web Summit começa meses antes do evento. É assim há quatro anos em Portugal. Para este ano, a organização espera mais de 70.000 pessoas em Lisboa para assistirem à conferência de tecnologia e startups, que decorre esta semana na zona da FIL e Altice Arena. Mas quanto custa ir ao evento?

Naturalmente existe curiosidade, pelo que é uma pergunta que muitos fazem todos os anos. Por exemplo, o Web Summit é gratuito para jornalistas. E há muita gente que consegue bilhetes gratuitamente, por diversas vias e concursos. Também há os milhares de voluntários que, apesar do trabalho intenso, têm a oportunidade de assistir a alguns momentos importantes. Mas isso não responde à questão que motiva este artigo: qual o preço de um bilhete para o Web Summit? A resposta é… depende. Mas pode ultrapassar os 1.000 euros.

Nos últimos meses, a empresa vendeu bilhetes a vários preços e em vários momentos. Quanto mais cedo foram comprados, menos os participantes tiveram de pagar. Por exemplo, a promoção “2 por 1” permitiu comprar dois bilhetes por 850 euros, ou seja, 425 euros por bilhete. Este foi o preço mais baixo que os participantes comuns puderam pagar para assistirem ao Web Summit, ainda que a promoção tenha obrigado a comprar um mínimo de dois bilhetes.

Daqui para a frente, os preços aumentaram. Os bilhetes Super Early Bird custavam 495 euros. Os Early Bird ficaram a 675 euros. E os bilhetes regulares custavam 850 euros. Porém, para quem só confirmou a presença já perto deste mês de novembro, os preços começaram a ganhar outras proporções: o bilhete Late custava 995 euros. E o bilhete Late Late, o último a ser vendido pelo Web Summit, chegou aos 1.195 euros, de acordo com dados da organização, cedidos ao ECO.

Foram estes os preços base praticados pela organização do Web Summit até ao início deste mês. Na passada sexta-feira, 1 de novembro, os bilhetes esgotaram: “We’ve officially sold out!”, disse a empresa. Ou seja, “estamos oficialmente esgotados”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Afinal, quanto custa ir ao Web Summit?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião