Edward Snowden no Web Summit: “Somos a única coisa que pode proteger-nos”

Perante um Altice Arena completamente esgotado, Edward Snowden, um dos homens mais procurados pela Justiça dos EUA, disse a partir de Moscovo: "Continuem a ser livres."

Nunca fumou, “nem sequer uma ganza.” Mas é hoje um dos homens mais procurados pelas autoridades norte-americanas, depois de ter protagonizado uma das maiores fugas de informação da história do país. Estamos a falar, claro, de Edward Snowden, o famoso wistleblower que foi o “cabeça de cartaz” deste primeiro dia do Web Summit.

Se é um dos homens mais procurados, como foi ele ao Web Summit? A resposta é… não foi. Participou por videochamada a partir de Moscovo (Rússia) e respondeu em direto às perguntas de um apresentador, esse sim, no palco do Altice Arena. A qualidade da chamada, sem cortes, impressionou. Mas não tanto como a mensagem que Snowden deixou aos milhares de participantes do dia de inauguração do evento: só nós podemos proteger-nos.

Recentemente, publicou a sua autobiografia — Permanent Record — e foi imediatamente processado pelas autoridades norte-americanas. “A NSA [National Security Agency] processou-me para tentar evitar que as pessoas o lessem. Eles não gostam que estes livros sejam publicados”, disse à audiência do Web Summit. O livro aborda a infância de Snowden, o 11 de setembro e o processo de decisão que o levou a expôr as práticas ilegais de vigilância em massa dos EUA, que não eram do conhecimento do público e foram, depois, declaradas inconstitucionais.

Mas a conversa foi, sobretudo, acerca da tecnologia. Da evolução da tecnologia. “Não se estão a aproveitar dos dados, estão a aproveitar-se das pessoas”, disse o ex-trabalhador da NSA, referindo-se às plataformas como o Facebook, que recolhem e exploram enormes quantidades de dados pessoais dos utilizadores (em alguns casos, cedendo-os à polícia). No Web Summit, lançou uma pergunta retórica: “Se criarmos um poder irresistível, seja criado pelo Facebook ou por um Governo qualquer, como é que se policia o uso desse poder quando é usado contra as pessoas e não a favor delas?”

Questionado sobre se a evolução em direção à recolha massiva de dados foi uma decisão coordenada do setor, o norte-americano disse que não. “Não creio ter sido uma decisão colaborativa da indústria”. Mas lembrou que as autoridades podem pedir às grandes plataformas informação sobre um utilizador sem terem de dizer porquê. Sem terem de o justificar.

Em vez de pedirem às pessoas para confiarem em vocês e nos vossos serviços, façam com que as pessoas nem tenham de confiar em vocês.

Edward Snowden

Numa sessão que durou cerca de 20 minutos, houve ainda tempo para falar do Regulamento Geral de Proteção de Dados (RGPD), a nova lei europeia que visa proteger os dados dos utilizadores, prevendo pesadas multas para as empresas incumpridoras. Mas Edward Snowden disse ver algumas falhas nesta legislação: “O problema não é a proteção de dados. É a recolha dos dados”, disse.

E exemplificou: “A minha geração não possui nada. Não está autorizada a ter nada. Mesmo que não queiram que se saiba, há forma de saber que vocês estão aqui. Seja porque se ligaram ao Wi-Fi, seja porque os vossos telemóveis estão ligados à torre de telecomunicações”, afirmou.

Instado a deixar conselhos à comunidade de empreendedores e developers presente no Web Summit, e perante um Altice Arena completamente esgotado, com mais 10.000 pessoas à porta na ânsia de entrarem, Edward Snowden recomendou: “Em vez de pedirem às pessoas para confiarem em vocês e nos vossos serviços, façam com que as pessoas nem tenham de confiar em vocês”, atirou. E concluiu: “Obrigado e stay freeou seja, “continuem a ser livres”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Edward Snowden no Web Summit: “Somos a única coisa que pode proteger-nos”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião