“Portuguese accent”: os portugueses que vão subir ao palco do Web Summit

Nesta edição do Web Summit há muitos nomes portugueses em cima do palco. Tome nota dos nomes com sotaque português que vão marcar os próximos dias de conferência.

António Costa, Marcelo Rebelo de Sousa e Fernando Medina são três dos nomes já “habituais” no que toca à presença portuguesa nos palcos do Web Summit. O Presidente da República, como já é habitual, deverá falar no encerramento do evento, na próxima quinta-feira, assim como Fernando Medina já tem um lugar “cativo” na cerimónia de abertura, já esta segunda-feira.

Ao lado do presidente da câmara de Lisboa estará o CEO e cofundador do evento, Paddy Cosgrave, acompanhado também do ministro da Economia Pedro Siza Veira (que também abrirá os trabalhos amanhã, mais cedo, no Venture, evento paralelo dedicado aos investidores).

Ausente da cerimónia de arranque da 4.ª edição do Web Summit em Lisboa estará António Costa. O primeiro-ministro deverá voltar da República Checa, onde participa na Cimeira dos Amigos da Coesão — no próximo dia 5, terça-feira, a tempo de estar no palco principal do Web Summit na quarta-feira, ainda que da agenda oficial não conste, por enquanto, qualquer referência à presença de Costa no evento.

No entanto, a participação portuguesa nos palcos do maior evento de tecnologia e empreendedorismo do mundo vai muito além destes nomes. Daniela Braga, CEO e cofundadora da DefinedCrowd, estará no palco principal na sessão de abertura, esta segunda-feira a partir das 17 horas no Altice Arena.

Também André Jordão, CEO e fundador da startup Barkyn, estará no palco principal do evento. A abrir a sessão da tarde, Jordão estará ao lado de outra portuguesa, Luísa Lima (Fyde), de Veronika Riederle (Demodesk) e de Nils Henning (Casafari) a fazer o pitch em frente de vários milhares de pessoas que, habitualmente, deixam o Altice Arena sem um lugar vago na sessão de abertura.

Daniela Seixas, a médica que criou a TonicApp, uma espécie de rede social para os médicos do mundo, vai também pisar o palco principal, mas no dia 7 de novembro, quinta-feira, a partir das 9h15, na primeira sessão de pitch do dia. Um dia antes, esse espaço será ocupado, à mesma hora, por outro português — Rui Sales — que é presidente e COO da Stratio.

Outros nomes portugueses a destacar, desta vez noutros palcos da conferência, são os de Madalena Cascais Tomé, CEO da SIBS, que participa num painel na MoneyConf na quarta-feira, 6 de novembro, a partir das 14h45, sobre o “comboio das fintech”. Ricardo Vargas, diretor executivo da Brightline Initiative, estará na Corporate Innovation Summit, já no dia 5 às 13h35.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Portuguese accent”: os portugueses que vão subir ao palco do Web Summit

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião