“Portuguese accent”: os portugueses que vão subir ao palco do Web Summit

Nesta edição do Web Summit há muitos nomes portugueses em cima do palco. Tome nota dos nomes com sotaque português que vão marcar os próximos dias de conferência.

António Costa, Marcelo Rebelo de Sousa e Fernando Medina são três dos nomes já “habituais” no que toca à presença portuguesa nos palcos do Web Summit. O Presidente da República, como já é habitual, deverá falar no encerramento do evento, na próxima quinta-feira, assim como Fernando Medina já tem um lugar “cativo” na cerimónia de abertura, já esta segunda-feira.

Ao lado do presidente da câmara de Lisboa estará o CEO e cofundador do evento, Paddy Cosgrave, acompanhado também do ministro da Economia Pedro Siza Veira (que também abrirá os trabalhos amanhã, mais cedo, no Venture, evento paralelo dedicado aos investidores).

Ausente da cerimónia de arranque da 4.ª edição do Web Summit em Lisboa estará António Costa. O primeiro-ministro deverá voltar da República Checa, onde participa na Cimeira dos Amigos da Coesão — no próximo dia 5, terça-feira, a tempo de estar no palco principal do Web Summit na quarta-feira, ainda que da agenda oficial não conste, por enquanto, qualquer referência à presença de Costa no evento.

No entanto, a participação portuguesa nos palcos do maior evento de tecnologia e empreendedorismo do mundo vai muito além destes nomes. Daniela Braga, CEO e cofundadora da DefinedCrowd, estará no palco principal na sessão de abertura, esta segunda-feira a partir das 17 horas no Altice Arena.

Também André Jordão, CEO e fundador da startup Barkyn, estará no palco principal do evento. A abrir a sessão da tarde, Jordão estará ao lado de outra portuguesa, Luísa Lima (Fyde), de Veronika Riederle (Demodesk) e de Nils Henning (Casafari) a fazer o pitch em frente de vários milhares de pessoas que, habitualmente, deixam o Altice Arena sem um lugar vago na sessão de abertura.

Daniela Seixas, a médica que criou a TonicApp, uma espécie de rede social para os médicos do mundo, vai também pisar o palco principal, mas no dia 7 de novembro, quinta-feira, a partir das 9h15, na primeira sessão de pitch do dia. Um dia antes, esse espaço será ocupado, à mesma hora, por outro português — Rui Sales — que é presidente e COO da Stratio.

Outros nomes portugueses a destacar, desta vez noutros palcos da conferência, são os de Madalena Cascais Tomé, CEO da SIBS, que participa num painel na MoneyConf na quarta-feira, 6 de novembro, a partir das 14h45, sobre o “comboio das fintech”. Ricardo Vargas, diretor executivo da Brightline Initiative, estará na Corporate Innovation Summit, já no dia 5 às 13h35.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Portuguese accent”: os portugueses que vão subir ao palco do Web Summit

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião