Previsões do Governo são otimistas, alerta Teodora Cardoso

Pouco se pode deduzir dos dados enviados por Centeno para Bruxelas, mas a economia diz que as previsões são otimistas e que a estratégia do Governo centra-se nas medidas da legislatura passada.

A economista Teodora Cardoso considera que as previsões que o Governo enviou a Bruxelas no Plano de Projeto Orçamental são otimistas, porque exigem uma maior competitividade e um aumento do investimento privado para se concretizarem, e diz que do documento só é possível deduzir que o Governo está à espera que sejam as medidas que implementou na legislatura passada a puxar pela economia.

“O draft tem 50 páginas, 40 são dedicadas às medidas da legislatura anterior, algum sinal será do que isto tem na política económica e orçamental que se vai seguir”, disse a ex-presidente do Conselho das Finanças Públicas.

Num seminário organizado sobre o próximo Orçamento do Estado, a economista admitiu que é mais difícil falar sobre as escolhas do Governo para o próximo ano uma vez que o Executivo ainda não apresentou a proposta de Orçamento do Estado para 2020 — deverá fazê-lo até 15 de dezembro, segundo o Presidente da República –, mas ainda assim fez uma análise das escolhas de política económica, tendo em conta o Programa do Governo.

Teodora Cardoso diz que, se o Governo tinha como objetivo tornar o país mais competitivo, “esperar-se-ia que houvesse medidas que corrigissem os pontos mais fracos da competitividade portuguesa”. No entanto, a economista não vê medidas nesse sentido.

A ex-presidente do Conselho das Finanças Públicas disse que em matéria fiscal, só há “duas pistas no Programa de Governo” e ambas vão no mesmo sentido.

“Uma é o reforço e aprofundamento da progressividade do imposto sobre o rendimento e a segunda é o englobamento de todos os tipos de rendimento, portanto vai na mesma linha”, disse.

Teodora Cardoso questionou ainda o mantra que tem sido repetido de que a sustentabilidade da Segurança Social está assegurada. “O problema da Segurança Social, da sua sustentabilidade, não se mede pelo estado em que ela está num ano. Tem de se medir naquilo que vem a seguir, porque os encargos da Segurança Social vão aumentar”, disse.

A economista sublinhou que a “população portuguesa envelheceu e vai continuar a envelhecer mais rapidamente do que todos os outros países europeus” e que isto vai colocar em causa a capacidade da economia de atrair investimento.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Previsões do Governo são otimistas, alerta Teodora Cardoso

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião