Revive: Forte da Ínsua, em Caminha, recebe quatro propostas

  • Lusa
  • 8 Novembro 2019

Três empresas portuguesas e uma francesa concorreram ao concurso público para a concessão do Forte da Ínsua, em Caminha, ao abrigo do Programa Revive.

Quatro empresas, três portuguesas e uma francesa, concorreram ao concurso público lançado em julho, para a concessão do Forte da Ínsua, em Caminha, pondo fim a “décadas de abandono”, disse esta sexta-feira à Lusa o presidente da câmara.

O autarca congratulou-se com o número de empresas que apresentaram proposta ao concurso público realizado ao abrigo do Revive, referindo ser “muito bom no contexto dos concursos nacionais” lançados por aquele programa governamental. “A apresentação de quatro propostas revela um interesse evidente na reabilitação da monumentalidade da Ínsua e isso é, desde logo, uma boa notícia para Caminha“.

O prazo para apresentação de propostas ao concurso público para a concessão do imóvel, construído entre 1649 e 1652, terminou na quarta-feira, às 24h. O Forte da Ínsua encontra-se numa pequena ilha rochosa, na foz do rio Minho, perto da costa. Está situado na Ínsua de Santo Isidro, na freguesia de União das Freguesias de Moledo e Cristelo.

Forte da Ínsua, CaminhaWikimedia Commons

O autarca adiantou que “as propostas vão agora ser abertas e analisadas pelo júri do concurso, sendo que a decisão final deverá ser tomada dentro das próximas semanas”.

“Só o júri multidisciplinar que vai avaliar as propostas é que decidirá se todas cumprem os requisitos legais e qual aquela que serve os interesses de Caminha e do Estado Português. Ainda é cedo para lançarmos foguetes, mas acredito que, depois de décadas de abandono e de muita retórica inconsequente, estamos no bom caminho para recuperarmos o património da Ínsua, pondo a sua história e as suas estórias ao serviço das pessoas e da economia da região. Não há caminhada que não comece com o primeiro passo. Ele está dado”, sublinhou.

O concurso público para a concessão do Forte da Ínsua foi lançado em julho, em Lisboa, durante a âmbito da apresentação, pelo Governo, da segunda edição do programa Revive. Na altura, contactado pela Lusa, Miguel Alves, referiu que “a Câmara de Caminha guardou parte do seu espólio e a Capitania local detém as chaves das suas portas”.

Adiantou que o município “assegurou os estudos topográficos e a recolha dos elementos históricos e arquitetónicos” do imóvel. Lançado em 2016, o Revive é um programa conjunto dos Ministérios da Economia, Cultura e Finanças, que visa promover a recuperação e a requalificação de imóveis públicos classificados que estão sem uso, através da concessão a privados para exploração para fins turísticos.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Revive: Forte da Ínsua, em Caminha, recebe quatro propostas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião