Fernando Nogueira fora da Lusitânia. Manuela Rodrigues acumula cargo de chairman com o de CEO

  • ECO
  • 12 Novembro 2019

Manuela Rodrigues vai acumular o cargo de presidente do conselho de administração com o de CEO. Nome de Fernando Nogueira não aparece no registo de órgãos sociais publicado pela ASF.

Fernando Dias Nogueira foi proposto pela Associação Mutualista Montepio Geral, liderada por Tomás Correia, para o cargo de chairman da Lusitânia Seguros, mas o seu nome não terá passado. A Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões (ASF) publicou a lista de órgãos sociais para o mandato 2019/2022, atribuindo a Manuela Rodrigues a presidência do conselho de administração da seguradora, acumulando o cargo com o de CEO.

O nome proposto pela Mutualista Montepio iria ocupar o lugar de Eduardo Farinha, mas acabou por não aparecer no registo final da ASF. Recorde-se que Fernando Dias Nogueira estava em risco de ser “chumbado”, sendo que o Observador avançou, na semana passada, que teria mesmo falhado a avaliação do supervisor por ser presidente executivo da seguradora condenada, no início de agosto, pela Autoridade da Concorrência pela prática de cartel no setor.

Pelo envolvimento no processo de cartel, acrescentou o Observador, a ASF terá dado um parecer negativo ao nome de Fernando Nogueira, o que levou a que Virgílio Lima, administrador da AMMG, tenha escrito, na semana passada, uma carta ao regulador agora liderado por Margarida Corrêa de Aguiar a refutar os argumentos da reguladora dos seguros. No entanto, Fernando Nogueira não surge na lista final.

De acordo com a ASF, Maria Manuela Traquina Rodrigues será a presidente da comissão executiva, substituindo Fernando Nogueira, sendo que será também presidente do conselho de administração da seguradora da Associação Mutualista.

Esta é a composição dos órgãos sociais da Lusitânia Seguros:

Conselho de administração e comissão executiva
– Maria Manuela Traquina Rodrigues – presidente;
– Maria Dalila Correia Araújo Teixeira – vogal;
– Paulo José Martins Jorge da Silva – vogal;
– Pedro Miguel Rodrigues Crespo – vogal;

Conselho fiscal
– José Augusto Perestrelo de Alarcão Troni – presidente;
– Gabriel Fernando Martins de Mesquita Gabriel – vice-presidente;
– Paula Alexandra Flores Noía da Silveira – vogal;
– Maria Fernanda Rodrigues Fernandes – vogal suplente;

Revisor oficial de contas
– Carlos Manuel Sim Sim Maia, em representação da
PricewaterhouseCoopers & Associados, SROC, Lda. – efetivo;
– Carlos José Figueiredo Rodrigues – suplente;

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fernando Nogueira fora da Lusitânia. Manuela Rodrigues acumula cargo de chairman com o de CEO

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião