Sede do Jornal de Notícias vai ser transformada num hotel Marriott

A sede histórica do Jornal de Notícias no Porto vai passar a ser o Hotel Journal, do grupo Marriott. Investimento será entre 35 a 40 milhões de euros.

O Porto vai ter mais um hotel de luxo e, como tem sido usual, num edifício histórico. É na sede do Jornal de Notícias (JN), na Rua de Gonçalo Cristóvão, que vai nascer a nova unidade hoteleira do Marriott Hotel, revelou o empresário macaense, dono da Global Media, à Macau News Agency (conteúdo em inglês). O acordo será assinado esta terça-feira e a redação vai mudar-se para outro edifício a cerca de um quilómetro.

“É um investimento entre 35 a 40 milhões de euros por este hotel com 213 quartos”, disse Kevin Ho, dona da KNJ, que detém 30% da Global Media. O empresário adiantou ainda que o novo hotel será um Autograph Collection by Marriott e vai chamar-se Hotel Journal, numa homenagem aos mais de 60 anos em que o JN esteve naquele edifício.

Sede do Jornal de Notícias, PortoGoogle Maps

“O turismo não é a única coisa que floresce em Portugal, é toda a economia, é um dos locais mais inovadoras da Europa. O país vai estar ainda melhor no futuro”, continuou o sobrinho de Edmund Ho, ex-chefe do Governo de Macau.

Com este negócio, a redação do JN vai agora mudar-se para um edifício na Rua de Latino Coelho, a cerca de um quilómetro, e a mudança deverá acontecer em breve.

O prédio em questão, com 17 andares, foi vendido no início do ano por quase dez milhões de euros à Authentic Emphaty, de acordo com a Sábado. Todos os gerentes da empresa macaense trabalham para a KNJ, incluindo Lei Ka Kei e David Siu, gerentes da Burgosublime, cuja empresa-mãe é a sucursal portuguesa da KNJ. Na altura foi tornado público que o objetivo desta compra seria a revenda.

Recorde-se que, no ano passado, a Global Media decidiu também vender o edifício sede do Diário de Notícias, em Lisboa, por 20 milhões de euros à Avenue, que está agora a transformar o imóvel num edifício residencial de luxo.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Sede do Jornal de Notícias vai ser transformada num hotel Marriott

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião