Modernização do local de trabalho pode gerar retorno de 1.900 milhões de euros às empresas

Empresas que optem pela transformação do local de trabalho -- incluindo tecnologia, operações, cultura e experiência dos colaboradores -- podem obter receitas adicionais na ordem dos 1.900 milhões.

Todos nós gostamos de estar e de trabalhar em locais que nos deem prazer, que nos transmitam uma sensação de conforto, que tenham uma ambiente moderno e adaptado às nossas necessidades atuais. Assim, torna-se importante os empregadores olharem para o lado estético e funcional da sua empresa pois, funcionários com melhores condições serão mais felizes e, por conseguinte, mais produtivos.

É possível gerar receitas adicionais agregadas na ordem dos 1.900 milhões de euros (dois mil milhões de dólares) anuais para as empresas que optem pela transformação do local de trabalho, incluindo tecnologia, operações, cultura e experiência dos colaboradores. Ao implementarem uma estratégia integral para melhorar a experiência no espaço empresarial (workplace experience), as empresas podem realmente vir a alcançar um retorno de investimento, assinala um estudo realizado pela Avanade, líder no fornecimento de serviços inovadores e experiências baseadas no ecossistema Microsoft.

Com os novos tempos, as prioridades das pessoas alteraram-se: procuramos cada vez mais uma ligação emocional com o espaço envolvente. Desta forma, também na ótica do trabalhador, o bem-estar no seu local de trabalho passa a ser uma prioridade, tal como o equipamento avançado que este possa proporcionar-lhe. Deve, por isso, ressalvar-se e priorizar-se a interação entre o trabalhador e o seu espaço de trabalho, o que este sente e o que o ambiente o faz sentir.

Quando falamos desta experiência por parte dos funcionários de uma empresa com o meio envolvente e a estratégia de melhoramento da mesma, estamos a referir-nos à designação de workplace experience.

A modernização do local de trabalho é um elemento fulcral como impulsionador de valor de negócio. (…) Modernizar as plataformas tecnológicas, os serviços e os espaços de trabalho físicos, ‘reimaginar’ a cultura e a experiência dos colaboradores, e otimizar os processos quotidianos são elementos diferenciadores. A maioria das organizações, neste aspeto, ainda não estão onde necessitam de estar”, explica Tiago Minchin, country manager da Avanade Portugal, citado em comunicado.

Com cerca de 1.375 inquiridos em todo o mundo (dos quais fizeram parte CEOs, diretores de recursos humanos, operações, TI e Marketing, de vários setores de negócio), os dados do relatório da Avanade estimam a possibilidade de um aumento de 16% das receitas anuais da empresa e uma redução de custos operativos em 13% com a transformação do local de trabalho que inclui tecnologia, operações, cultura e experiência dos colaboradores.

Como melhorar os espaços de trabalho?

Apesar de as organizações ainda não estarem a investir nesta prática, “95% dos inquiridos estão de acordo que, para maximizar o seu ROI, necessitam de colocar a experiência no local de trabalho no centro da sua estratégia de transformação do negócio”, afirma Tiago Minchin. Até porque importa ressalvar que 94% da amostra identificou os seus trabalhadores como a principal fonte das vantagens competitivas para o seu negócio.

Neste sentido, uma transformação de sucesso assente na experiência no local de trabalho requer, para 96% dos entrevistados, uma abordagem mais holística. Contudo, embora os argumentos a favor da transformação do local de trabalho sejam convincentes, segundo os resultados deste estudo, existem ainda obstáculos a serem enfrentados em várias áreas. Quase 47% das pessoas citaram a modernização da TI como um desafio importante e quase um terço (34%) mencionou a evolução da qualificação dos empregados, recrutamento de talento e gestão de TI como dificuldades extras que as empresas precisam ultrapassar para implementar estratégias verdadeiras de experiência no espaço de trabalho.

De modo geral pode concluir-se que, para uma transformação bem-sucedida da experiência de trabalho, existem quatro elementos essenciais: modernização das plataformas e serviços no local de trabalho (considerado importante por 96% das pessoas envolvidas no estudo); otimização e modernização das operações (necessidade apontada por 96%); fechar a diferença entre a experiência física e digital (questão apontada por 95%); por fim, repensar a cultura e a experiência dos empregados (algo fundamental para 94% dos inquiridos).

No fundo, este resultados mostram que oferecer uma grande experiência aos funcionários já se tornou tão importante como oferecer uma grande experiência aos clientes.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Modernização do local de trabalho pode gerar retorno de 1.900 milhões de euros às empresas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião