Technogym Village: o local de trabalho mais saudável do mundo

A sede da fabricante de equipamentos de ginásio TechnoGym, em Itália, é um "laboratório vivo" do bem-estar. A revista norte-americana Forbes considerou-a o "local de trabalho mais saudável do mundo".

É difícil, mas pode tentar imaginar como será o “local mais saudável do mundo”. Na sede da TechnoGym Village em Cesena, Itália, tudo gira à volta a cultura wellness (bem-estar). Há salas de reuniões com bolas de pilates, estações de trabalho luminosas com máquinas de exercício sempre disponíveis, um spa, um restaurante com refeições saudáveis e nutritivas, e duas horas de almoço para desfrutar de tudo o que a empresa tem para oferecer.

A sede de uma das maiores fabricantes de equipamentos de ginásio do mundo, a TechnoGym, foi inaugurada em 2012, em Itália. Foi considerada pela revista norte-americana Forbes como o “local de trabalho mais saudável do mundo”, e há razões para isso.

O TechnoGym Village é um verdadeiro “laboratório vivo”, e está dividido em várias secções da área do bem-estar. O Jardim T-Wellness, para prática de exercício físico ao livre; a Loja e Salão T-Wellness, onde são expostos os produtos da Technogym; o T-Wellness Centre, onde são testados os produtos e programas; o restaurante T-Wellness, que oferece um menu com produtos de origem local e refeições nutritivas; a T-Factory, que combina todos os processos de produção; o T-Investigação & Desenvolvimento, departamento de investigação e inovação; a Universidade Technogym, que oferece cursos para especialistas em wellness de todo o mundo; e o Centro Científico onde são estudadas as últimas descobertas da ciência médica, fisiológica e biomecânica para soluções de bem-estar.

Nerio Alessandri, CEO e fundador da TechnoGym, criou a empresa com o objetivo de promover o bem-estar e criar a primeira “aldeia do bem-estar” na Europa e, citado pela Quartz, acredita que “suar com os colegas (incluindo com o seu chefe) é uma boa forma de melhorar a comunicação e a formação de equipas dentro da empresa”.

 

Alguns factos sobre o Technogym Village

  • Nerio Alessandri, CEO e fundador da Technogym, iniciou a empresa multimilionária na garagem de sua casa em 1983, com apenas 22 anos.
  • O ex-Presidente norte-americano, Bill Clinton, esteve presente na inauguração do Technogym Village, em setembro de 2012.
  • O complexo ocupa cerca de 150 mil metros quadrados, sendo que ainda só estão ocupados cerca de 60 mil. O projeto do edifício foi assinado pelo arquiteto italiano Antonio Citterio.
  • Este complexo faz parte do projeto Romagna-Wellness Valley, promovida pela Wellness Foundation, criada em 2003 por Nerio Alessandri, cujo objetivo é criar o primeiro bairro de bem-estar da Europa.
  • O Technogym já foi seis vezes consecutivas o fornecedor oficial de equipamento para os Jogos Olímpicos.
  • Clubes de futebol como o Milão, Juventus, Paris Saint-Germain e Chelsea são parceiros do Technogym para os treinos dos jogadores.

O fundador desta pequena “cidade do bem-estar”, acredita que o exercício em grupo no trabalho deve ser uma atividade divertida e não algo que é imposto. E pode passar por incentivos simples, tais como aconselhar os funcionários a subir escadas em vez de utilizar os elevadores ou oferecer vestiários e chuveiros para incentivar as pessoas a pedalar para o trabalho.

“Estar em forma não é um dever para os membros da nossa equipa, mas, com certeza, estar imerso no ambiente da Technogym Village, diariamente, torna as pessoas mais ativas e motivadas para o exercício”, sublinha Alessandri.

O campus oferece programas de bem-estar gratuitos, atividades de condicionamento físico, aulas de controlo de stresse, meditação e exames físicos anuais para os colaboradores. “A coisa mais saudável sobre a Technogym Village talvez seja a atitude moderada em relação ao exercício”, sublinha a Quartz. Alessandri quer que esta abordagem ajude a inspirar outras organizações e empresas em todo o mundo, para que se foquem no “bem-estar corporativo”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Technogym Village: o local de trabalho mais saudável do mundo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião