Cinco estratégias para reter trabalhadores

  • Ricardo Vieira
  • 26 Junho 2019

Nem só o salário conta na hora de promover o bem-estar e a felicidade dos colaboradores, que muitas vezes fintam a saída de talento.

Há muito mais do que o valor do salário na hora de compensar os colaboradores. A pensar nisso, a Spring Professional, empresa de recrutamento especializado do grupo Adecco, enumera cinco estratégias para aumentar a taxa de retenção.

  • Horários de trabalho flexíveis

A grande maioria dos funcionários valoriza muito a capacidade de trabalhar em horários flexíveis. Pesquisas globais descobriram que, especialmente para os trabalhadores mais jovens, o aumento da flexibilidade nas horas de trabalho era um maior incentivo do que outros. No entanto, muitas empresas continuam relutantes quando se trata de introduzir horários de trabalho. Outra hipótese é, junto com os colaboradores, testar um horário de trabalho que atenda às suas necessidades.

  • Encurtar a semana de trabalho

Na Mars Iberia não se trabalha cinco dias por semana, e há países onde uma semana de trabalho reduzida provou ser benéfica para os funcionários em termos de produtividade e redução do stress. Para a Spring Professional, os empregadores precisam de entender que o tempo gasto no escritório não necessariamente iguala a produtividade. As evidências mostram que, com uma semana de quatro dias, a qualidade do trabalho permanece a mesma, enquanto o envolvimento no trabalho melhora e o stress diminui.

  • Promover o trabalho a partir de casa

Permitir que os funcionários trabalhem a partir de casa traz recompensas significativas tanto para funcionários quanto para empresários, de acordo com um estudo de Stanford. Muitos funcionários perceberam que tinham menos distrações e menos stress, o que resultou num aumento de produtividade em 13%. Além disso, o desgaste dos funcionários foi reduzido para metade, as pausas tornaram-se mais curtas e as ausências por motivo doença também diminuíram. A par da diminuição da despesa com espaço de escritório, assim como a tecnologia cada vez mais acessível, “políticas que não permitem que os funcionários trabalhem de casa pelo menos em parte do tempo tornam-se hoje mais difíceis de justificar – e arrisca que os seus funcionários procurem essas alternativas noutras empresas”.

  • Implementar políticas de recompensa e reconhecimento

É importante agradecer e reconhecer o contributo de cada colaborador. Algumas empresas oferecem prémios financeiros, mas há outros esquemas de recompensa, como eCards, e dias de férias adicionais, que também podem ser muito eficazes e significativos na hora de reconhecer funcionários pelo trabalho árduo. “Seja criativo e identifique formas de recompensa e reconhecimento que se encaixam na cultura da sua empresa e na marca do empregador, são justas, inclusivas e significativas”, afirma a empresa de recrutamento.

  • Introduzir iniciativas de bem-estar

Contrariar o sedentarismo dos colaboradores, contribuindo para a saúde de todos deve ser uma prioridade. Muitos empregadores oferecem benefícios de bem-estar, como fruta, ginásio, meditação e/ou massagens, por exemplo. Além disso, promover o bem-estar no local de trabalho pode ajudar a prevenir o stress, a melhorar a moral, assim como incentiva o espírito de equipa, reduz os dias de doença e melhora a satisfação geral dos funcionários.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Cinco estratégias para reter trabalhadores

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião