Brasileira Gooders chega a Portugal. Transforma as horas de voluntariado em benefícios

Dott e Cofina são alguns dos primeiros parceiros da startup de impacto social em território nacional. Gooders defende que "o bem recompensa".

A brasileira Gooders, startup de impacto social que troca horas de voluntariado por benefícios, acaba de chegar a Portugal para fazer o que melhor sabe: provar que “o bem recompensa”.

A base da empresa é um modelo de economia social que junta, na mesma plataforma, ONG’s, voluntários e marcas. O marketplace recompensa os voluntários são recompensados pelas horas que dedicam a causas, com benefícios e ofertas de produtos e serviços.

Portugal é o primeiro mercado europeu em que a startup inaugura atividade. Em Portugal, a Gooders nasce com mais de 400 ações disponíveis em cerca de 3.000 ONGs nacionais através da Bolsa de Voluntariado e também com alguns parceiros, entre os quais o site de compras online Dott, a mercearia online com aconselhamento de nutricionistas ProdTo e o grupo de comunicação Cofina.

“Portugal é um país solidário e temos mais manifestações de voluntariado do que muitos países desenvolvidos. Temos um povo que sabe bem acolher e cuidar e, por isso, faz todo o sentido criar um sistema de retorno para as pessoas que dedicam horas da sua vida a causas”, explica Pedro Borges, à frente da Gooders Portugal.

Como funciona?

Na base da lógica de atribuição de benefícios em troca de horas de voluntariado está uma relação simples: os utilizadores têm acesso a uma agenda atualizada das ações disponíveis e, por cada dez minutos de voluntariado, cada voluntário recebe um gooder, a moeda que assume diferentes valores por cada parceiro.

Qualquer pessoa pode registar-se na plataforma para ser voluntário. No final, os gooders podem ser trocados por descontos ou outros benefícios. A aposta em Portugal também está relacionada com a dimensão potencial do mercado: em 2018, a taxa de voluntariado foi de 7,8%, o que quer dizer que cerca de 695 mil pessoas realizaram pelo menos uma atividade solidária sem remuneração, de acordo com o Inquérito ao Trabalho Voluntário.

Fundada em São Paulo, no Brasil, a Gooders conta já com mais de 12.000 organizações na plataforma, e tem mais de 214.000 voluntários registados, estando associada a parceiros como a McDonald’s, a Samsung e a IBM.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Brasileira Gooders chega a Portugal. Transforma as horas de voluntariado em benefícios

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião