Maioria dos bancos alemães já cobra taxa nos depósitos dos grandes clientes

  • ECO
  • 19 Novembro 2019

Na Alemanha há bancos a aplicar juros negativos nos depósitos acima de 100 mil euros. A prática é polémica, mas as críticas vão para Draghi, ou para o Conde Draghila, o "vampiro que suga poupanças".

Quase 60% dos bancos alemães já estão a cobrar uma taxa de juro nos depósitos dos grandes clientes. E mais de 20% já aplica mesmo taxas negativas aos clientes de retalho.

O Bundesbank realizou um inquérito junto dos 220 bancos no final de setembro, ou seja, duas semanas depois de o BCE ter cortado a taxa de depósitos para -0,5%, tendo criado um sistema de dois escalões em que uma parte do excesso de liquidez do banco fica isenta deste encargo.

Os resultados mostram que 58% dos bancos responderam que estão a impor juros negativos em alguns depósitos corporate e 23% disseram que estão a fazer o mesmo nos depósitos de clientes do segmento do retalho, segundo adianta o Financial Times (acesso pago/conteúdo em inglês) citando dados do inquérito do Bundesbank.

A prática não é pacífica na Alemanha. Por cá, a discussão pública em torno do tema é mais recente, mas igualmente pouco consensual. A Associação Portuguesa de Bancos está a discutir com o Banco de Portugal a possibilidade de cobrar uma comissão nos depósitos de multinacionais e empresas públicas, deixando de fora as famílias, tendo em conta que a lei portuguesa não permite a aplicação de juros negativos aos clientes — que o Governo não vai mexer, segundo disse ao ECO fonte das Finanças.

Tanto cá como na Alemanha, a discussão surge por causa da política do BCE, que é visto, entre os alemães, como uma entidade que penaliza quem poupa. O FT dá como exemplo um artigo no jornal alemão Bild, em que Mario Draghi, que se abandonou recentemente a liderança do BCE, surge retratado como o “Conde Draghila”, o vampiro que suga as poupanças das famílias.

O CFO do Deutsche Bank, James von Moltke, revelou no mês passado aos analistas que o maior banco alemão está a acelerar os esforços para passar as taxas de juro negativas para os clientes depois de concluir que poderia fazê-lo em relação a cerca de um quinto dos seus depósitos de retalho. O Commerzbank disse este mês que vai começar a cobrar uma taxa nos depósitos de clientes de retalho com mais de um milhão de euros.

O Berliner Volksbank fez uma das movimentações mais agressivas no setor: começou a aplicar uma taxa de -0,5% sobre todos os depósitos acima de 100 mil euros.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Maioria dos bancos alemães já cobra taxa nos depósitos dos grandes clientes

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião