Endividamento da economia volta a subir. Passou os 725 mil milhões de euros em setembro

O endividamento da economia portuguesa voltou a crescer em setembro, superando os 725 mil milhões de euros. Trata-se da segunda subida mensal. No terceiro trimestre, o endividamento está em 348,3%.

O endividamento da economia portuguesa voltou a crescer em setembro, superando os 725 mil milhões de euros, revelam dados do Banco de Portugal publicados esta quinta-feira. No entanto, no terceiro trimestre, o endividamento medido em percentagem do PIB recuou para 348,3%.

Segundo os dados do banco central, o endividamento da economia portuguesa atingiu em setembro os 725,8 mil milhões de euros, depois de no mês anterior ter ficado em 724 mil milhões de euros. Foi a segunda subida mensal consecutiva.

Apesar do aumento, o valor no trimestre, medido face à riqueza produzida, apresentou uma correção. No segundo trimestre, o endividamento tinha ficado em 349,7% do PIB, uma marca que recuou para 348,3% do PIB no período entre julho e setembro.

Evolução do endividamento

Fonte: Banco de Portugal. Valores em mil milhões de euros

Quando comparado com o trimestre homólogo, este indicador mostra também uma tendência de correção, já que há um ano correspondia a 358,7% do PIB.

Mais endividamento privado

Este aumento de 1,9 mil milhões de euros “deveu-se, essencialmente, ao acréscimo de 1,7 mil milhões de euros no endividamento do setor privado e de 200 milhões de euros no endividamento do setor público”, avança o banco central.

No caso das empresas o acréscimo de endividamento foi transversal a todo o tipo de empresas, independentemente da sua dimensão. Já no caso dos particulares, a subida mensal no endividamento resulta de outros tipos de crédito que não o que se destina à habitação.

O endividamento do setor não financeiro dá uma medida do endividamento da economia, mas deixa de fora a dívida das instituições financeiras. Estes valores não estão consolidados entre setores, pelo que apresentam registos tão elevados, já que não descontam as dívidas entre setores.

O Banco de Portugal acrescenta que “em setembro, a taxa de variação anual do endividamento total das empresas privadas foi de 1,5%, menos 0,1 pontos percentuais (p.p.) do que o registado no mês anterior. A taxa de variação anual do endividamento total dos particulares aumentou 0,2 p.p., para 0,5%”.

(Notícia atualizada às 11h28 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Endividamento da economia volta a subir. Passou os 725 mil milhões de euros em setembro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião