OCDE vê PIB a abrandar em 2020 e avisa para margem “limitada” no Orçamento

A OCDE reviu em alta a previsão de crescimento económico para este ano mas piorou a projeção que tinha para Portugal para 2020. Conclusão: agora vê a economia a perder gás.

A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) cortou a previsão de crescimento para Portugal para 2020, em uma décima, para 1,8%. A instituição vê agora a economia nacional a abrandar face a 2019, ano para o qual espera uma subida do PIB de 1,9%, 0,1 pontos percentuais acima do que esperava em maio. Além disso, apesar de melhorar as suas previsões para o saldo orçamental, a OCDE avisa que Portugal tem uma margem “limitada” para medidas no Orçamento.

As novas previsões fazem parte do Economic Outlook que a OCDE publicou esta quinta-feira. A projeção para 2020 surge numa altura em que o Governo prepara o Orçamento do Estado para 2020 e volta a isolar o Executivo que tem uma previsão de subida do PIB de 2% para 2020, acima de todas as projeções conhecidas até ao momento.

Também importante é a tendência desenhada para a economia portuguesa para os anos que se seguem. A instituição liderada por Ángel Gurría antecipa uma desaceleração para 2020 e igualmente para 2021 quando a economia deverá crescer 1,7%. Se as previsões da OCDE se materializarem, em 2021 Portugal terá acumulado quatro anos de abrandamento económico, depois de, em 2017, ter crescido 3,5% — o pico de crescimento no pós crise –, e estará a crescer a um ritmo que equivale a menos de metade do registado naquele ano.

Segundo a OCDE, “o crescimento do consumo será mais suave devido a um crescimento mais fraco nos salários. O crescimento das exportações será sustentado em ganhos de competitividade apesar de condições externas mais desafiadoras. A absorção dos fundos estruturais vai sustentar o investimento“.

A instituição acredita que, apesar de Portugal apresentar níveis baixos de inflação e de beneficiar de condições financeiras acomodatícias, a moderação no crescimento do emprego e estabilização no crescimento dos salários ditarão um crescimento mais brando no consumo privado.

Por outro lado, apesar de um enquadramento externo mais adverso, as exportações vão aguentar-se, ao mesmo tempo que as importações sobem pressionadas pela chegada de fundos comunitários que vão suportar o investimento, até porque se aproxima o final do atual quadro comunitário com a consequente aceleração da execução.

Dívida elevada limita medidas no Orçamento

No novo cenário macroeconómico para Portugal, a OCDE melhora as previsões para o saldo orçamental para este ano e para o próximo. Para 2019, acredita que Portugal terá um défice de 0,1% do PIB, o mesmo que Mário Centeno inscreveu no draft do Orçamento do Estado para 2020 que enviou a 15 de outubro para Bruxelas, e um saldo nulo em 2020, colando-se também aqui às previsões do Governo que será atualizadas a 16 de dezembro, a “data indicativa” para a entrega do primeiro Orçamento da legislatura.

Mas apesar de estar mais otimista, a OCDE deixa um importante aviso em matéria orçamental que se aplica a Portugal (mas não só). “Nos países da OCDE onde não existe projeção de redução de níveis elevados da dívida pública nos próximos dois anos (como na Bélgica, Japão, Itália, Reino Unido e EUA), ou é esperada uma redução, mas a dívida pública é ainda muito elevada (como na Grécia, Portugal e Espanha), o espaço para medidas discricionárias de flexibilização é limitado. Uma flexibilidade adicional pode minar a sustentabilidade da dívida ou reduzir a margem para combater futuras recessões“, diz a organização.

A OCDE vê a dívida pública em 119,3% do PIB este ano, 117,1% no próximo e 114,3% do PIB em 2021. Para o próximo ano, a OCDE está mais pessimista que o Governo que coloca o rácio da dívida pública em 116,2%.

Riscos externos e na banca

No documento hoje publicado a OCDE sistematiza também os riscos que antecipa para Portugal e que podem afetar as previsões de crescimento económico para os próximos dois anos.

Em sentido descendente estão uma deterioração adicional das perspetivas de crescimento na União Europeia, a incerteza em torno do Brexit que pode afetar o turismo e o comércio, a vulnerabilidade do setor bancário a choques financeiros, que a OCDE vê existirem perante níveis elevados do crédito malparado.

Do lado ascendente, ou seja, que podem ajudar a economia a crescer acima do previsto, está a melhoria no desempenho do mercado de trabalho e a competitividade das exportações nacionais como resultado das reformas estruturais em curso.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

OCDE vê PIB a abrandar em 2020 e avisa para margem “limitada” no Orçamento

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião