Atividade industrial desaponta investidores e deixa Wall Street no vermelho

Os mercados norte-americanos encerraram a sessão em terreno negativo. As novas tarifas aduaneiras anunciadas por Donald Trump e os dados da atividade industrial estão a preocupar os investidores.

Os dados da atividade industrial norte-americana desapontaram os investidores e atiraram Wall Street para terreno negativo, no arranque do último mês do ano. As novas tarifas aduaneiras anunciadas por Donald Trump — e que terão como alvo o Brasil e a Argentina — também contribuíram para as perdas registadas na sessão desta segunda-feira.

O índice de referência, o S&P 500, desvalorizou 0,85% para 3.114,32 pontos. Igual tendência foi registada pelo tecnológico Nasdaq, que recuou 1,09% para 8.571,07 pontos. E o industrial Dow Jones não saiu dessa mesma linha, tendo descido 0,92% para 27.792,75 pontos.

Donald Trump anunciou, esta segunda-feira, novas tarifas aduaneiras. Desta vez, os alvos serão as importações de aço e alumínio provenientes no Brasil e da Argentina. As novas taxas aplicam-se com “efeito imediato” e já estão a preocupar os investidores.

A somar a tal preocupação e a pesar sobre Wall Street, estiveram os dados pouco positivos da atividade industrial norte-americana. Em novembro, a atividade industrial dos EUA voltou a recuar. Este é já o quarto mês consecutivo, o que tem resultado em receios em torno do abrandamento da economia.

E depois dos dias descontos da Black Friday e da Cyber Monday terem levado o retalho a máximos de vendas, a Walmart viu os seus títulos avançarem 0,16% para 119,28 dólares esta segunda-feira.

Em sentido inverso e apesar dos sucesso de vendas, a Amazon viu os seus títulos recuarem 1,07% para 1.781,60 dólares. As ações da Target também desvalorizaram: caíram 0,82% para 123,98 dólares

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Atividade industrial desaponta investidores e deixa Wall Street no vermelho

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião