Infraestruturas de Portugal desce lucros para os 35 milhões no primeiro semestre

  • Lusa
  • 3 Dezembro 2019

Nos primeiros seis meses do ano, a Infraestruturas de Portugal registou um lucro de 35 milhões de euros, menos 12 milhões do que no período homólogo.

A Infraestruturas de Portugal (IP) registou lucros de 35 milhões de euros nos primeiros seis meses de 2019, uma diminuição de 12 milhões face aos 47 milhões registados no mesmo período de 2018, comunicou hoje a empresa ao mercado.

De acordo com o relatório e contas publicado no site da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a IP, que gere as redes rodoviária e ferroviária nacionais, viu também a sua dívida reduzida, passando de 5.745 milhões de euros no primeiro semestre de 2018 para 5.208 milhões no mesmo período de 2019.

O volume de negócios também registou uma diminuição, mas mais pequena, passando de 577 milhões de euros na primeira metade de 2018 para 575 no mesmo período deste ano. O resultado financeiro foi negativo em 101 milhões de euros no primeiro semestre deste ano, melhorando face aos -116 milhões registados em igual período do ano passado.

Os ganhos antes de juros, impostos, depreciações e amortizações (EBITDA) diminuíram, passando de 325 milhões de euros na primeira metade de 2018 para 294 milhões de euros no período homólogo de 2019. Já os gastos operacionais aumentaram, passando de 467 milhões de euros no primeiro semestre de 2018 para 496 no mesmo período de 2019.

Em termos de investimento, a ferrovia recebeu 49,3 milhões de euros na primeira metade de 2019, um aumento face aos 37 milhões registados no mesmo período de 2018. A rodovia também recebeu um aumento de verbas na primeira metade de 2019, já que passou para nove milhões de euros, depois de 2,4 milhões de euros no período homólogo de 2018.

Em termos de indicadores operacionais, o índice de pontualidade na ferrovia subiu de 85,9% na primeira metade de 2018 para 89,8% no mesmo período deste ano. Já o número de acidentes significativos por milhão de comboios-quilómetro (MCK, unidade em que é calculado o indicador) subiu de 1,156 no primeiro semestre de 2018 para 1,663 no mesmo período deste ano.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Infraestruturas de Portugal desce lucros para os 35 milhões no primeiro semestre

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião