No verde, Wall Street quebra série de três sessões em queda

A perspetiva de que um acordo comercial inicial entre EUA e China poderá ser assinado em breve está a animar os investidores. A Google reage em alta à notícia da saída de Larry Page e Sergey Brin.

Ao quarto dia, Wall Street recupera. As principais praças norte-americanas negoceiam esta quarta-feira em “terreno” positivo, quebrando assim a série de perdas causadas pelo pessimismo em relação à guerra comercial. A perspetiva de que um acordo inicial poderá ser assinado em breve está a animar os investidores.

O índice industrial Dow Jones ganha 0,46% para 27.629,24 pontos, enquanto o financeiro S&P 500 avança 0,33% para 3.103,26 pontos e o tecnológico Nasdaq sobe 0,43% para 8.557,51 pontos.

A China e os Estados Unidos estão a jogar poker“, definiu Mark Grant, diretor de estratégia global da B. Riley FBR, em declarações à Reuters. “Fazem comentários com esperança de mexer com o outro lado e é difícil perceber o que é a realidade, mas o que têm conseguido, sem dúvida, é mexer com os mercados à medida que parecem mais ou menos promissores”.

A Bloomberg noticiou esta quarta-feira que Washington e Pequim estão novamente mais próximos de um acordo comercial que permitirá recuar nas tarifas aduaneiras já implementadas. Além das negociações entre as duas maiores economias do mundo, os dados do PMI de serviços nos EUA também estão a dar impulso ao mercado acionista.

No campo empresarial, a sessão está a ser de reação à notícia de que os cofundadores da Google Larry Page e Sergey Brin deixaram as suas funções na casa-mãe Alphabet, com Sundar Pichai a acumular o cargo de diretor executivo nas duas empresas. Os títulos da holding seguem a ganhar 1,5% para 1.314,13 dólares por ação.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

No verde, Wall Street quebra série de três sessões em queda

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião