Fitch prevê nova fase de consolidação no setor bancário em Portugal

  • Lusa
  • 5 Dezembro 2019

A agência de rating acredita que haverá consolidação no setor bancário português a longo prazo, face à pressão sobre as receitas dos bancos e à necessidade de criar instituições mais resilientes.

A agência de rating Fitch considera que haverá consolidação no setor bancário português a longo prazo, face à pressão sobre as receitas dos bancos e à necessidade de criar instituições mais resilientes.

No relatório divulgado esta quinta-feira sobre os bancos da Europa ocidental, a Fitch considera que as receitas dos bancos portugueses continuam sob pressão devido a baixas taxas de juro, concorrência e crescimento limitado do crédito, afirmando que para compensar os bancos têm de investir mais em tecnologia (digitalização), alterar modelos de negócio, reduzir custos e fazer “parcerias com outras instituições financeiras”.

“A longo prazo, acreditamos que o setor bancário português passará por uma nova fase de consolidação, que deverá resultar em mais modelos de negócios resilientes e positivos para os perfis de crédito dos bancos”, afirma a agência de notação financeira.

A concentração e a consolidação do sistema bancário português é um tema que tem estado em debate no setor, com vários operadores do mercado a considerarem que a necessidade de os bancos reduzirem custos, de responderem a novos operadores que entram no setor, assim como o abrandamento da economia e os baixos juros, podem levar a mais operações de concentração, com fusão de bancos.

Aliás, é conhecido que vários responsáveis europeus têm dado a entender que veriam com bons olhos a consolidação bancária, não só em Portugal como na zona euro.

No início de julho, numa conferência internacional em Lisboa, o presidente do Mecanismo Único de Supervisão do Banco Central Europeu (BCE), Andrea Enria, considerou que a dimensão adequada do setor bancário é “difícil de avaliar”, mas que “parece ser claro que o setor bancário europeu continua a ser muito grande” e a precisar de consolidação.

Ainda segundo o relatório de hoje da Fitch, já no curto prazo, em 2020, é esperado que os bancos portugueses continuem a apostar na redução dos ativos tóxicos, como crédito malparado.

A agência estima que o setor bancário português reduzirá o rácio de crédito malparado para 5% ou 6% do total em dois a três anos, face aos 9% de fim de junho de 2019, através de medidas como vendas de carteira de crédito ou abate ao ativo.

Espera ainda que os bancos, em 2020, reduzam outros ativos problemáticos, como exposição a imóveis e fundos de reestruturação, onde considera que até agora os progressos foram limitados.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fitch prevê nova fase de consolidação no setor bancário em Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião