Calçado português mais “verde”. Quer criar selo internacional único para o mostrar

Setor do calçado lança plano de ação para a sustentabilidade. Uma das 12 medidas passa pela criação de uma etiqueta internacional uniformizada que mostra toda a informação sobre o fabrico dos sapatos.

A indústria mais sexy da Europa quer continuar a sê-lo, mas agora mais “verde”. Criar uma etiqueta uniformizada a nível internacional com informações sobre o local onde cada par de sapatos é produzido, a origem dos materiais utilizados, o seu circuito comercial e a sua pegada ambiental é apenas uma das 12 medidas que compõem o Plano de Ação do Cluster do Calçado para a Sustentabilidade, apresentado esta quinta-feira no Porto.

“Trata-se de um documento ímpar na economia portuguesa, ao procurar criar um pensamento setorial estruturado, visando responder de uma forma integrada aos diferentes domínios da sustentabilidade”, refere o presidente da APICCAPS, Luís Onofre. Sob coordenação da Associação e do Centro Tecnológico do Calçado este documento será uma ferramenta essencial para o reposicionamento estratégico do setor no que respeita à competitiva internacional.O nosso objetivo é que a indústria portuguesa de calçado seja líder no desenvolvimento de soluções sustentáveis”, explica Luís Onofre.

O plano de ação é composto por 12 medidas, distribuídas por cerca de 50 ações em três eixos — planeta, pessoas e empresas — e envolverá um universo de 400 empresas. A estratégia é definida num momento em que a indústria está a abrandar — nos primeiros sete meses deste ano, a faturação fora do país caiu 7,9% e a expectativa é que as exportações recuem 5%, como avançou o Jornal de Negócios.

O objetivo de criar uma etiqueta uniformizada prende-se com a constatação de existirem 400 rótulos ecológicos. “Ninguém se entende”, diz ao ECO, Paulo Gonçalves. O porta-voz da APICCAPS explica que a associação tem “uma solução prevista que espera ver reconhecida internacionalmente e que seja utilizada por todas as marcas”, um pouco à semelhança do que acontece com as etiquetas usadas nos eletrodomésticos. Por exemplo, todos os frigoríficos têm uma rotulagem por letras que indica o nível de eficiência energética dos aparelhos.

Para as empresas que trabalham neste setor é fundamental apostar na informação sobre a formação dos produtos, a sua origem, rastreabilidade, onde as matérias-primas são compradas e o seu circuito comercial, isto porque há “uma clara desinformação, nomeadamente ao nível das matérias-primas”, sublinha Paulo Gonçalves. “Há muitas pessoas que colocam em causa a validade, qualidade e sustentabilidade do couro“, explica. “No entanto, do ponto de vista técnico, não há matéria-prima mais sustentável, já que recicla um produto que é um desperdício da indústria alimentar“, acrescenta.

A aposta na qualidade e durabilidade do calçado também é uma medida amiga do ambiente, já que reduz o número de pares que cada consumidor vai utilizar ao longo da sua vida. Mas as medidas abrangem muitas outras vertentes: materiais reciclados ou fontes renováveis sustentáveis, desenvolvimento de novos materiais, gestão circular de resíduos e produtos, utilização de inteligência artificial, ecodesign do calçado e a neutralidade carbónica, mas também um aumento da produtividade e da competitividade, consolidação das exportações e novos mercados.

A indústria portuguesa de calçado ocupa um lugar relevante na economia portuguesa. Só a nível de exportação, em 2018, a indústria de calçado exportou quase dois mil milhões de euros, para 163 países, o que corresponde a cerca de 95% da produção global. O setor representa para a balança comercial portuguesa um saldo superior a 1.300 milhões de euros. Por isso os industriais contestam, não só por razões ambientais, mas também económicas, que o continente asiático assegure 90% da produção de calçado a nível mundial.

Segundo a Associação Portuguesa de Calçado, o peso do setor na economia portuguesa resultaram de “uma combinação adequada entre o dinamismo empresarial e as políticas públicas, atuando, de modo concertado, nos três fatores mais relevantes para a manutenção e o reforço da competitividade: a promoção comercial e o marketing, a qualificação dos recursos humanos e a inovação. No que respeita a este último aspeto “Portugal tornou-se o maior utilizador de tecnologias inovadoras na fileira do calçado”.

Parceria com a EDP para avaliar eficiência energética das empresas

A APICCAPS celebrou ainda um protocolo com a EDP para ajudar as empresas associadas a avaliar como estão a utilizar a energia e apontar soluções para serem mais eficientes e sustentáveis. Ou seja, uma outra forma de tornar as empresas mais amigas do ambiente.

A avaliação dos níveis de eficiência energética será feita pela EDP no âmbito do protocolo celebrado com a EDP, e as empresas terão de suportar parte dos custos desta avaliação, explicou, ao ECO, Paulo Gonçalves.

A iniciativa também poderia ser elegível para obter apoios comunitários, já que se trata de uma medida de eficiência energética, mas para já ainda não foi entregue nenhuma candidatura nesse sentido.

Comentários ({{ total }})

Calçado português mais “verde”. Quer criar selo internacional único para o mostrar

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião