Industriais do têxtil e calçado receiam que algumas empresas não aguentem aumento do salário mínimo

O salário mínimo será de 635 euros a partir de 1 de janeiro, mas os industriais do têxtil e do calçado antecipam que algumas empresas não aguentarão o aumento de custos e fechem as portas.

O aumento do salário mínimo para 635 euros já é oficial e vai entrar em vigor a 1 de janeiro de 2020, mas os industriais do têxtil e do calçado estão preocupados com o impacto que a medida poderá ter. Num encontro, à porta fechada, que decorreu sexta-feira, no Porto, os responsáveis da Associação Nacional das Indústrias de Vestuário e Confeção (ANIVEC) e da Associação Portuguesa dos Industriais de Calçado, Componentes, Artigos de Pele e seus Sucedâneos (APICCAPS) reuniram-se com António Saraiva e alertaram para o risco de falências.

A reunião já estava marcada, faz parte da estratégia de presidente da CIP, António Saraiva, para ouvir a opinião dos seus associados. O presidente da Confederação Empresarial de Portugal (CIP) explicou ao ECO que, na reunião, os responsáveis associativos lhe deram conta da sua “preocupação por causa do aumento do salário mínimo”, e do “risco de falências, porque há empresas que não vão aguentar este aumento salarial”.

César Araújo, presidente da ANIVEC, (à esquerda), conversa com o presidente da CIP, António Saraiva (ao centro) e com Luís Onofre, que lidera a APICCAPS (à direita).22 Novembro, 2019

“Estamos preocupados”, afirma César Araújo ao ECO. O presidente da ANIVEC sublinha que as empresas têm encargos muito avultados porque apesar de o salário mínimo ser de 635 euros brutos (os trabalhadores levam para casa 565,15 euros líquidos, em 14 remunerações, a que acresce o subsídio de refeição (2,5 euros por dia). Os empregadores têm ainda de descontar todos os meses 150,81 euros referentes à Taxa Social Única (TSU). O industrial sente que o modo como está a ser feita a discussão do salário mínimo “é uma forma camuflada de denegrir a indústria”.

Este aumento nos custos de produção é um fator que vai “pesar na competitividade de empresas que trabalham essencialmente para o mercado global”, frisa César Araújo, recordando que a conjuntura não é a mais favorável tendo em conta “o abrandamento da Alemanha, que vai acabar por afetar Portugal direta ou indiretamente”, mas também as incertezas relacionadas com o Brexit.

Esta avaliação dos industriais contraria as declarações, e a decisão, do Presidente da República sobre o salário mínimo. Este sábado ao fim do dia, Marcelo deu uma espécie de resposta às dúvidas suscitadas pelo presidente da CIP. “O Presidente da República promulgou e, ao promulgar, disse que parecia razoável no contexto português. Eu não mudo de opinião em 15 dias, não chega a um mês. É razoável aquela decisão no contexto português”, afirmou Marcelo Rebelo de Sousa aos jornalistas, à margem da cerimónia de juramento de Hipócrates dos novos médicos da Região do Sul da Ordem dos Médicos, na Universidade de Lisboa.

Os riscos para a indústria não estão apenas no salário mínimo. A concorrência direta de países como a Turquia é outra das dores de cabeça destas indústrias. Até porque, no caso do têxtil as exportações nos primeiros nove meses do ano registaram uma quebra de 1% face ao período homólogo, com um valor acumulado em 3.957 milhões de euros. Sendo que Espanha e Alemanha foram os destinos que registaram maiores quedas absolutas, respetivamente de menos 49 milhões de euros, ou seja -3,8%, e menos 16 milhões de euros (equivalente a -4,5%).

A cinco dias da Concertação Social começar discutir o acordo sobre política de rendimentos e competitividade — um “acordo de médio prazo sobre salários, rendimentos e competitividade, em articulação com matérias prioritárias como a valorização dos jovens qualificados, a conciliação do trabalho, vida pessoal e familiar e a formação profissional” — os dirigentes associativos sublinharam nesta reunião a necessidade de o Governo avançar com “estímulos ao desenvolvimento económico português”. “Não se tratam de contrapartidas”, frisa César Araújo, mas de criar condições para que “as empresas possam criar bons empregos”. O presidente da ANIVEC lembra ainda que muitas das empresas do têxtil e do calçado estão no interior do país e desempenham um papel muito importante na fixação das populações, já que “grande parte dos contratos celebrados são sem termos” e “empregam muita mão-de-obra feminina”, o que “cria estabilidade familiar”.

Sem querer levantar a ponta do véu, o responsável disse ainda que vão “entregar um conjunto de medidas que poderão desenvolver o crescimento e a sustentabilidade das empresas nacionais” para que António Saraiva possa negociar com os restantes parceiros o acordo que “permita às empresas continuarem a ser competitivas a nível mundial”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Industriais do têxtil e calçado receiam que algumas empresas não aguentem aumento do salário mínimo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião