Wall Street no verde. Economia e negociações entre EUA e China ajudam

As duas maiores economias do mundo estão a negociar um acordo comercial inicial e têm sinalizado progressos nesse sentido, o que está a permitir às bolsas norte-americanas continuarem a subir.

Não haver más notícias está a ser uma boa notícia para Wall Street. Apesar de ainda não estar assinado qualquer acordo comercial entre os Estados Unidos e a China, a falta de sinais que indiquem atrasos ou entraves a que este seja alcançado está a permitir às principais bolsas norte-americanas negociarem pela segunda sessão consecutiva no verde.

As duas maiores economias do mundo estão a negociar um acordo comercial inicial e têm sinalizado progressos nesse sentido, com o presidente dos EUA, Donald Trump, a dizer que as conversações estão a correr “muito bem”. Ainda não é certo que este seja alcançado até à data de entrada em vigor de novas tarifas à importação de produtos chineses, mas foi suficiente para suportar os ganhos.

O índice financeiro S&P 500 sobe 0,12% para 3.116,46 pontos, a apenas 40 pontos de renovar o máximo histórico tocado a 27 de novembro. O industrial Dow Jones avança 0,20% para 27.706,36 pontos, enquanto o tecnológico Nasdaq ganha 0,16% para 8.580,19 pontos.

Ao que parece não há um agravamento de conversações negativas sobre a China pelo que me parece que essa ausência está a permitir aos mercados subirem“, disse Kim Forrest, chief investment officer da Bokeh Capital Partners, à Reuters. “De facto, ambos os lados parecem ter percebido que reduzir algumas das tarifas é o que é preciso fazer”.

Além dos desenvolvimentos da guerra comercial, também os dados económicos estão a dar um impulso. O défice comercial dos Estados Unidos caiu, em outubro, para o nível mais baixo de um ano meio, indicando que o crescimento económico poderá fortalecer no quarto trimestre do ano. Esta sexta-feira são novos dados do desemprego, sendo que a poll da Reuters indica que terá caído para mínimos de sete meses.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Wall Street no verde. Economia e negociações entre EUA e China ajudam

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião