Fisco estende IVA automático a mais contribuintes em 2020

  • Lusa
  • 10 Dezembro 2019

Mais contribuintes vão ficar abrangidos pelo IVA automático em 2020. Depois do IVA liquidado, a funcionalidade passará a estar disponível também no IVA dedutível.

O IVA automático vai avançar para uma nova fase no início de 2020 com administração fiscal a alargar o pré-preenchimento da declaração ao montante de imposto dedutível, com base nas faturas comunicadas através do Portal das Finanças.

O alargamento do IVA automático foi assinalado esta terça-feira pela diretora-geral da Autoridade Tributária e Aduaneira (AT), Helena Borges, na abertura do “Congresso IVA 2019”, em Lisboa, organizado pelo projeto Católica Tax, da Faculdade de Direito da Universidade Católica em colaboração com vários escritórios de advogados.

“Na primeira fase só pré-preenchíamos [a declaração] com o IVA liquidado. Agora vamos passar também ter o IVA dedutível”, precisou Helena Borges, à margem da conferência. Esta nova fase continuará a abranger os contribuintes enquadrados no regime de IVA trimestral e sem contabilidade organizada.

A diretora-geral da AT precisou que o objetivo das administrações [fiscais] é apoiar os cidadãos e criar as condições para que não entrem em incumprimento”. “Se pedirem faturas com NIF e aderirem ao débito direto, só têm de ver se as faturas correspondem ou não ao IVA dedutível para não terem situações de incumprimento”, precisou Helena Borges.

Este é também o contexto em se enquadra o alargamento dos pagamentos por débito direto ao IVA. Helena Borges não referiu quando é que esta funcionalidade – que já está disponível para o IMI, IUC ou IRS – ficará disponível, sinalizando que será “em breve”.

Salientando que uma parte significativa do incumprimento resulta de desconhecimento, ou seja, do facto de o contribuinte não saber “como fazer bem”, Helena Borges assinalou a aposta que a AT tem vindo a fazer na vertente da prevenção e no desenvolvimento de soluções que apoiem o contribuinte e evitem que entre em incumprimento.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fisco estende IVA automático a mais contribuintes em 2020

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião