Canábis em produtos farmacêuticos? Abreu Advogados ajuda a ser possível

Abreu Advogados contou com uma equipa de quatro advogados, liderados por César Bessa Monteiro Jr., para assessorar a EXMceuticals na obtenção de licença para produtos farmacêuticos à base de canábis.

A sociedade Abreu Advogados assessorou a EXMceuticals, empresa cotada na bolsa canadiana CSE, na obtenção da primeira licença de pesquisa e desenvolvimento de produtos farmacêuticos à base de canábis, permitindo a esta empresa dar um passo nas suas operações no mercado europeu. A Advocatus falou com o escritório português em causa para perceber os meandros jurídicos deste tipo de operação.

A equipa da Abreu Advogados responsável pela assessoria foi liderada por César Bessa Monteiro Jr., sócio da Abreu Advogados que coordenou a equipa, e por Madalena Bernardes Coelho, associada.

Num processo que demorou cerca de sete meses, período que inclui os trabalhos preparatórios à instrução do processo de obtenção da licença. “Naturalmente que tratando-se de matéria de saúde, o processo de obtenção de uma licença neste âmbito é extremamente complexo, pelas exigências que comporta para os requerentes”, explica o sócio da Abreu Advogados César Bessa Monteiro Jr, em declarações à Advocatus.

Esta licença permite assim facilitar os processos de importação, pesquisa e refinamento de canábis em Portugal. Segundo o mesmo advogado, o primeiro passo necessário para a obtenção desta licença consistiu “no enquadramento do projeto à luz do quadro legal vigente”. Seguiu-se então a preparação de “todos os elementos instrutórios exigidos por lei para a obtenção da licença, que foram então submetidos à apreciação do Infarmed. Como é expectável, foram solicitados esclarecimentos adicionais por parte da entidade licenciadora, que foram prontamente respondidos”, disse o sócio da Abreu Advogados.

“Este processo de licenciamento, apoiado pela Abreu, foi fundamental para o desenvolvimento e consolidação da atividade desta empresa em Portugal. Esta licença é realmente inovadora no nosso país e abre caminho para o desenvolvimento e afirmação de um setor promissor, que se tem revelado muito dinâmico e que oferece grandes oportunidades, criando muitos empregos e novas oportunidades de colaboração com outras empresas nacionais e internacionais”, nota César Bessa Monteiro Jr.

Este processo de licenciamento, apoiado pela Abreu, foi fundamental para o desenvolvimento e consolidação da atividade desta empresa em Portugal.

César Bessa Monteiro Jr.

Sócio da Abreu Advogados

Com o desenvolvimento deste projeto de investigação abre-se ainda a possibilidade de não só dotar o mercado português de ingredientes farmacêuticos à base de canábis, mas também permitir a promoção da investigação e desenvolvimento na área. Esta licença permite à EXM dar um passo em frente nas suas operações europeias pois passa a poder importar, investigar e refinar ingredientes canabinóides e produtos à base de canábis na Europa, prevendo-se já a instalação de uma unidade fabril de escala industrial destinada à atividade de refinaria, de acordo com as normas europeias e que permitirá exportar um significativo volume de produtos à base de canábis refinado de grande pureza para a União Europeia e resto do mundo. Desta forma, a EXM irá crescer do atual laboratório à escala piloto para a produção industrial, aumentando também o número de projetos de I&D que atualmente desenvolve nas instalações no Centro de Inovação do Campus da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Canábis em produtos farmacêuticos? Abreu Advogados ajuda a ser possível

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião