Tribunal de Contas vê “erros materialmente relevantes” nas contas do Estado de 2018

A instituição liderada por Vítor Caldeira entregou esta sexta-feira o parecer sobre o fecho das contas públicas de 2018. O tribunal volta a falar em "erros materialmente relevantes".

Mário Centeno fechou 2018 com um défice de 0,4% do PIB e com o selo das “contas certas”, mas o Tribunal de Contas (TdC) olhou para a conta final e voltou a encontrar “erros materialmente relevantes” que levam a instituição presidida por Vítor Caldeira a “formular uma limitação de âmbito (ausência de balanço e demonstração de resultados) e um conjunto de reservas e ênfases, seja de correção financeira, seja de legalidade”.

“O défice reduziu-se 6,4% face a 2017, para 2,7 mil milhões de euros”, diz o parecer da Conta Geral do Estado de 2018 (CGE 2018) entregue esta sexta-feira no Parlamento. O tribunal refere-se ao défice da Administração Central e da Segurança Social na ótica da contabilidade pública, isto é, de tesouraria.

Em contabilidade nacional, a que interessa a Bruxelas por medir pagamentos e compromissos, o défice ficou em 0,4% do PIB, até então o valor mais baixo da democracia.

No entanto, na contabilidade pública, o tribunal identifica problemas semelhantes aos de anos anteriores, mais relacionados com as questões do cumprimento de regras orçamentais, o que leva a instituição a emitir um parecer sobre a Conta Geral do Estado (CGE) de 2018 que “inclui um juízo com reservas e ênfases”.

“A Conta da Administração Central e a Conta da Segurança Social continuam afetadas por erros materialmente relevantes. A CGE continua a evidenciar situações de desrespeito de princípios orçamentais, incumprimento de disposições legais que regulam a execução orçamental e insuficiências dos sistemas de contabilização e controlo”, diz o Tribunal de Contas.

Muitas das lacunas e das recomendações estão relacionadas com a reforma das finanças públicas que passa pela implementação da Lei de Enquadramento Orçamental aprovada em 2015, que o Tribunal de Contas tem criticado abundantemente pela ausência de progressos.

Uma das lacunas encontradas pelo Tribunal está relacionada com falta de informação. “A CGE não identifica todas as alterações orçamentais que agravaram o défice orçamentado da Administração Central, designadamente as alterações com contrapartida em saldos de gerência (receita não efetiva).”

Encargos com PPP podem estar subavaliados

Um outro exemplo de limitação no reporte de informação da CGE está relacionado com os encargos com parcerias público-privadas. “A Conta reporta 1,7 mil milhões de euros de encargos públicos líquidos com parcerias público-privadas (1,6 mil milhões de euros em 2017 e 11,96 mil milhões de euros de 2011 a 2018). Estes encargos respeitam apenas a 35 parcerias, apesar de a Unidade Técnica de Acompanhamento de Projetos (UTAP) divulgar informação sobre mais 58 contratos de natureza concessória.” Este é um exemplo por que a CGE deveria ter informação mais completa.

Em matéria de impostos, o Tribunal defende que a Conta e o Relatório de Combate à Fraude e Evasão Fiscal não são consonantes e que o segundo relatório não usa os indicadores certos para reportar informação sobre o combate à fraude.

Além disso, o tribunal chama a atenção para a falta de capacidade resultante da CGE para comparar as previsões e os gastos em políticas públicas desenvolvidas naquele ano. “Quanto à execução dos 18 programas orçamentais, as insuficiências da programação orçamental não permitem a avaliação das medidas de política pública quanto aos recursos financeiros previstos e gastos, nem focar a apreciação do orçamento e da sua execução no binómio resultados obtidos/recursos utilizados, com base em indicadores relevantes.”

O Tribunal de Contas deixa um conjunto de 57 recomendações ao Governo, onde apenas 12 são novas face a anos anteriores. Apesar de não ser nova, o Tribunal destaca como a mais importante a implementação da Lei de Enquadramento Orçamental. No parecer, o Tribunal notou, ainda assim, alguns progressos no acolhimento de recomendações de anos anteriores, na ordem dos 60%.

No parecer, o TdC fala ainda dos riscos sobre a sustentabilidade das finanças como a dívida pública, as responsabilidades contingentes e os apoios ao setor financeiro, através de garantias. Também nas pensões, e tal como em anos anteriores, o Tribunal vê riscos relacionados com o peso que as pensões representam para a sustentabilidade da Segurança Social.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Tribunal de Contas vê “erros materialmente relevantes” nas contas do Estado de 2018

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião