Os cinco presentes que Costa vai pôr no sapatinho das famílias

  • ECO
  • 24 Dezembro 2019

Dez dias antes do Natal, o Governo entregou o OE 2020 e com ele trouxe algumas boas notícias para as famílias. Apoios para quem tem filhos e descontos para quem ajuda o clima são marcas das novidades.

Desta vez o Orçamento do Estado chegou junto do Natal. As eleições foram em outubro e o Governo teve um prazo diferente para entregar o documento no Parlamento. O Executivo fez um Orçamento exigente, com metas orçamentais mais ambiciosas, mas não esqueceu as famílias. Aqui ficam os cinco presentes que António Costa vai pôr no sapatinho das famílias.

Cerca de 135 mil famílias vão beneficiar a partir do próximo ano de uma majoração na dedução no IRS para as crianças até aos três anos. Este bónus aplica-se a partir do segundo filho. Os dependentes permitem, atualmente, uma dedução à coleta do IRS de 600 euros, sendo que nos três primeiros anos de vida, a dedução é mais alta, de 726 euros. A partir do próximo ano, havendo um segundo filho com até três anos, a majoração sobe de 126 euros (isto é, 726 euros em vez de 600) para 300 euros — num total de 900 euros. A medida custa apenas 24,3 milhões e euros aos cofres públicos no próximo ano, segundo as contas do Ministério das Finanças.

O Governo vai oferecer, ao longo de três anos, a quem tenha entre 18 e 26 anos, um desconto no IRS que é de 30% no primeiro ano, 20% no segundo e 10% no terceiro ano, desde que não sejam dependentes. A medida, que vai abranger cerca de 160 mil jovens, representará, já em 2020, uma perda de receita na ordem dos 25 milhões de euros, revela a proposta de Orçamento do Estado. As simulações da consultora EY, realizadas para o ECO, indicam que quem receber um salário bruto de mil euros por mês poderá ter uma poupança no imposto de 758,73 euros no primeiro ano, 506,42 euros no segundo e 254,10 euros no terceiro.

Ainda no âmbito do apoio à família e, mais concretamente, nos incentivos à natalidade, o Governo anunciou no Orçamento do Estado que vai regulamentar o complemento-creche, “atribuindo a todos os portugueses com filhos em creches um valor garantido e universal, que comparticipe o preço da creche a partir do segundo filho, já no ano letivo 2020/2021”. De acordo com as contas do Governo, esta medida vai custar aos cofres do Estado 30 milhões de euros.

O Governo decidiu reforçar a partir de 2020 o abono de família para o 4.º e último escalão. A medida tem um custo de 19 milhões de euros e significa que para crianças até aos 36 meses o abono passa de 48,35 euros para 58,39 euros. Para as crianças entre os 36 meses e os 72 meses, o abono passa de 16,12 euros para 19,46 euros.

O Executivo decidiu mexer nas tabelas de Imposto Sobre Veículos (ISV), especialmente na componente ambiental. Se no caso dos automóveis a gasolina os valores de base para o cálculo desta parcela do ISV apenas são atualizados à taxa de inflação, em torno de 0,3%, nos diesel há mudanças nos escalões. Passam a ser iguais aos dos carros a gasolina, reduzindo os impostos em alguns destes veículos.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Os cinco presentes que Costa vai pôr no sapatinho das famílias

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião