Atividade de reabilitação urbana mantém-se “estável” com aumento de 0,2%

  • Lusa
  • 27 Dezembro 2019

O nível de atividade de reabilitação urbana manteve-se “estável” em novembro, registando um ligeiro aumento de 0,2% face a igual mês de 2018, releva a AICCOPN.

O nível de atividade de reabilitação urbana manteve-se “estável” em novembro, registando um ligeiro aumento de 0,2% face a igual mês de 2018, revelou esta sexta-feira a Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas (AICCOPN).

Segundo os dados obtidos num inquérito mensal aos empresários do setor da construção que atuam no mercado da reabilitação urbana, realizado pela AICCOPN, no mês de novembro, o índice que mede o nível de atividade “permanece estável, mas a carteira de encomendas regista trajetória positiva”.

De acordo com os dados da AICCOPN, a variação do nível de atividade de reabilitação urbana, em termos homólogos, foi de 0,2% em outubro, de 0,6% em setembro e de 0,2% em agosto.

Assim, o índice do mês de novembro mantém a dinâmica de abrandamento do ritmo de crescimento da reabilitação urbana, à semelhança do registado em agosto, setembro e outubro, tendência que se verificou a partir de abril deste ano, mas com maior intensidade nos últimos quatro meses.

Em abril, a reabilitação urbana cresceu 11,5%, em termos homólogos, representando uma descida de 1,8% face ao mês anterior, confirmando-se a “tendência de abrandamento”.

Relativamente à evolução da carteira de encomendas das empresas neste segmento do mercado, em novembro assistiu-se a uma trajetória positiva, com um crescimento de 4,5% face ao verificado em novembro de 2018.

Em termos de produção contratada em meses, ou seja, o tempo assegurado de laboração a um ritmo normal de produção, foi apurado em novembro “um prazo médio ponderado de 7,5 meses, valor ligeiramente inferior aos 7,9 meses apurados no mês anterior e aos 7,7 registados há um ano”.

Fundada em 1892, a AICCOPN é uma associação de âmbito nacional que representa cerca de 8.000 empresas do setor da construção civil e obras públicas.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Atividade de reabilitação urbana mantém-se “estável” com aumento de 0,2%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião