Altice encaixa mais 200 milhões de euros com venda de torres de telecomunicações. Cellnex fica com 100%

A Cellnex adquiriu a totalidade do capital da portuguesa Omtel, a empresa que resultou da venda das torres de telecomunicações que eram da Meo. Altice Europe encaixa 200 milhões com o negócio.

A Cellnex comprou a totalidade das torres de telecomunicações (infraestrutura metálica) que tinham sido parcialmente vendidas pela Meo em 2018.Pixabay

A Cellnex alcançou “um acordo” para adquirir a totalidade do capital da portuguesa Omtel, a empresa que, em 2018, ficou com 3.000 torres de telecomunicações que eram da Meo, revelou a companhia espanhola, que tem a família Bennetton entre os principais acionistas. Este acordo prevê a instalação de novas torres no país.

O negócio avalia a Omtel em 800 milhões de euros, sendo que a Altice Europe ATC 12,16% aceitou vender os 25% que ainda detinha na companhia, encaixando 200 milhões de euros com a operação. A informação foi confirmada pela dona da Meo num comunicado.

Segundo a Cellnex, “a aquisição contempla igualmente a instalação de 400 novas infraestruturas nos próximos quatro anos”. No entanto, o plano poderá ser alargado em “350 novas infraestruturas até 2027, “tendo em conta a evolução do mercado português e o desenvolvimento da rede 5G”.

A Omtel nasceu em 2018 depois de a Altice ter vendido uma posição de 75% na rede de torres de telecomunicações em Portugal a um consórcio constituído pelo Morgan Stanley Infrastructure Partners e pelo Horizon Equity Partners, ligado a Sérgio Monteiro e a António Pires de Lima. A dona da Meo recorda que, em 2018, “reinvestiu 108,8 milhões de euros” pelos 25% que agora vendeu. Ao que o ECO apurou, a Omtel era avaliada em 660 milhões quando foi constituída.

“Através desta transação, a Altice Europe inicia uma parceria de longo prazo com a Cellnex em Portugal, que compromete tanto o fornecimento de serviços de alojamento mobile em infraestrutura passiva, bem como a construção de novas torres”, refere a Altice Europe, numa nota divulgada acerca da operação. A operação, que está a merecer destaque na imprensa espanhola, representa a entrada oficial da Cellnex no mercado português.

“Uma vez finalizada a integração da Omtel e concluída a construção das novas infraestruturas estima-se que o EBITDA [lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações] adicional gerado para o grupo [Cellnex] seja de 90 milhões de euros. A aquisição e os futuros investimentos serão financiados com a disponibilidade de caixa do grupo Cellnex e os fluxos de caixa gerados pela própria empresa”, informa a Cellnex, na mesma nota divulgada esta quinta-feira.

A venda das torres de telecomunicações que eram da Meo não deverá ter qualquer impacto na rede móvel da operadora em Portugal. Estes negócios que envolvem a venda das torres de telecomunicações abrangem apenas as infraestruturas metálicas onde os equipamentos são colocados, pelo que são vistos numa ótica de interesse imobiliário. Sobretudo quando vem aí o 5G, a quinta geração de redes móvel de comunicações, que vai exigir uma capilaridade maior do que a atual rede 4G.

Esse facto também é enaltecido pela Cellnex: “A Omtel gere um atrativo portefólio de infraestruturas que representam aproximadamente 25% das torres de telecomunicações do mercado português. Os contratos da Omtel com os seus clientes têm uma duração média de 20 anos com períodos adicionais de cinco anos, sendo o principal a Portugal Telecom (Meo)”, sublinha a empresa espanhola de infraestruturas.

Com este anúncio, as ações da Cellnex Telecom SA estão a valorizar 2,68% na bolsa espanhola, para 39,40 euros. Os títulos da Altice Europe somam 2,99% em Amesterdão, para 5,92 euros, num dia que já estava a ser de fortes ganhos nos mercados acionistas.

Cotação das ações da Altice Europe em Amesterdão

(Notícia atualizada pela última vez às 17h49)

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Altice encaixa mais 200 milhões de euros com venda de torres de telecomunicações. Cellnex fica com 100%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião