Tribunal Constitucional dá razão ao Banco de Portugal. Houve gestão ruinosa no BES

Luís Marques Mendes revelou que o Tribunal Constitucional condenou Ricardo Salgado e Amilcar Pires por gestão ruinosa no BES. Está em causa uma contraordenação de 3,7 milhões de euros.

Luís Marques Mendes revelou que o Tribunal Constitucional decidiu, esta semana a favor do Banco de Portugal pondo assim fim ao primeiro grande processo no qual Ricardo Salgado e Amílcar Pires são condenados por gestão ruinosa no BES. Está em causa está uma contraordenação de 3,7 milhões de euros aplicada pelo regulador.

“Há-de vir a público, uma decisão do Tribunal Constitucional, de dia 8, que põe fim ao primeiro grande processo em que Ricardo Salgado e Amílcar Pires são condenados”, revelou Marques Mendes no seu espaço semanal de comentário na SIC.

O Banco de Portugal aplicou uma coisa de 3,7 milhões de euros aos dois gestores, mas depois houve uma sentença do Tribunal da Concorrência de Santarém, a que se seguiu um recurso para o Tribunal da Relação de Lisboa que Ricardo Salgado, que o antigo presidente do Banco Espírito Santo perdeu e, agora no dia 8, houve um acórdão definitivo do Tribunal Constitucional a dar razão ao Banco de Portugal, elencou Marques Mendes.

“Conclusão, pelo menos um processo chega ao fim, pelo menos aqui há uma matéria de contraordenação e, sobretudo, neste caso, a Justiça considera que houve atos dolosos, ou seja, atos intencionais de gestão ruinosa”, frisou o advogado que lamento o facto de, no caso do BES, “a investigação criminal tem estado encravada”.

Pelo menos um processo chega ao fim, pelo menos aqui há uma matéria de contraordenação e, sobretudo, neste caso, a Justiça considera que houve atos dolosos, ou seja, atos intencionais de gestão ruinosa.

Luís Marques Mendes

“Com todos os atrasos no domínio criminal” esta questão reveste-se de uma enorme importância, porque é um primeiro passo para que Salgado e todos aqueles que foram responsáveis por aquela situação não passem “impunes”, explicou Marques Mendes, que deu os parabéns ao Banco de Portugal pelo facto de ter sido “célere” na sua atuação.

Marques Mendes explicou ainda a diferença ente o processo do Banco de Portugal e a investigação criminal e frisou que o Ministério Público não pode dar o processo por concluído porque está à espera de um conjunto de informações que vêm do estrangeiro, nomeadamente da Suíça.

(Notícia atualizada)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Tribunal Constitucional dá razão ao Banco de Portugal. Houve gestão ruinosa no BES

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião