El Corte Inglés quer ter o seu próprio banco em Espanha

O grupo El Corte Inglés já solicitou autorização ao Banco de Espanha para criar o seu próprio banco. A ideia passa por oferecer serviços financeiros a particulares e conceder empréstimos.

O grupo El Corte Inglés quer ter o seu próprio banco e, por isso, já pediu autorização ao Banco de Espanha para o fazer. O objetivo passa por oferecer serviços financeiros a particulares e conceder empréstimos a pequenas e médias empresas.

Segundo o jornal espanhol El Confidencial (acesso livre, conteúdo em espanhol), esta é uma forma de contornar a estabilização das receitas do seu negócio principal: as vendas nos seus centros comerciais. Terá o apoio do Banco Santander, dono de 51% do capital desde outubro de 2013, mas será limitada a alguns clientes.

Entre os vários serviços oferecidos pelo grupo até agora, está a disponibilização de cartões por parte do El Corte Inglés através de uma sociedade financeira de crédito e em parceria com a entidade liderada por Ana Botín. A grande diferença é, que, caso esta iniciativa tenha luz verde do Banco de Espanha, o grupo poderá financiar os clientes com o cartão do El Corte Inglés em Espanha fora das lojas do grupo, referem fontes próximas.

Através da criação de um banco universal o grupo de distribuição poderá, por exemplo, financiar a compra de um carro numa concessionária, um produto que a loja não tem à venda, entre outros. Este é um mercado que não é desconhecido para o Santander, a primeira entidade em Espanha neste género de créditos ao consumo, e que poderia fornecer ao banco a base de dados de 11 milhões de clientes que usufruem do cartão El Corte Inglés.

De acordo com o mesmo jornal, o grupo pretende ainda fornecer serviços financeiros a empresas e até, numa fase posterior, serviços de gestão de património, associada à oferta de seguros que já existe. O projeto terá sido pensado pelo CEO do grupo de distribuição, Victor del Pozo, e suportada pelo conselho de administração, presidido por Marta Álvarez Guil.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

El Corte Inglés quer ter o seu próprio banco em Espanha

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião