Gulbenkian e Misericórdias querem apoios a Pedrógão devolvidos

  • ECO
  • 18 Janeiro 2020

A Fundação Calouste Gulbenkian e a União das Misericórdias Portuguesas constituíram-se como assistentes no processo relativo às suspeitas na reconstrução de casas após os incêndios de 2017.

A Fundação Calouste Gulbenkian (FCG) e a União das Misericórdias Portuguesas (UM) constituíram-se como assistentes no processo relativo às suspeitas na reconstrução de casas após os incêndios de 2017 em Pedrógão Grande. Nesse âmbito, a Gulbenkian pede a devolução de quase meio milhão de euros, avança o Jornal de Notícias (acesso pago) neste sábado.

Segundo aquele jornal, a Gulbenkian apresentou um pedido de indemnização superior a 482 mil euros, referente às obras realizadas em cinco casas sob suspeita.

Em causa está a suspeita de que a reconstrução dessas casas terá sido indevidamente apoiada pela Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro.

“Com base no conteúdo da acusação, do conjunto dos apoios para a reconstrução de habitações que terão alegadamente sido obtidos de forma irregular, cinco dizem respeito a projetos de reconstrução de habitações financiados ao abrigo do protocolo celebrado entre a FCG e a UMP”, justifica a Gulbenkian, citada pelo Jornal de Notícias.

 

Comentários ({{ total }})

Gulbenkian e Misericórdias querem apoios a Pedrógão devolvidos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião