Hiscox integra solução da CyberCube para gerir risco cibernético

  • ECO Seguros
  • 21 Janeiro 2020

A Hiscox assinou um acordo para integrar a tecnologia de análise de risco cibernético da CyberCube, com o objetivo de reforçar as suas próprias capacidades na gestão do risco cibernético sistémico.

No âmbito desta parceria a Hiscox acede ao ‘Portfolio Manager’ da CyberCube, que permitirá testar a resiliência da sua carteira de negócios de seguros comerciais globais contra vários cenários de catástrofes causadas por ciberataques, como interrupções na nuvem e ataques de ransomware.

A plataforma de modelação de riscos oferecida pela CyberCube permite que os participantes do mercado fortaleçam a gestão de riscos acumulados e possam também medir os níveis de exposição.

Citado num comunicado, Robert Caton, responsável pela área de risco na atividade de subscrição da Hiscox afirma: “Investimos muito na compreensão dos riscos a que estamos expostos. O ciberespaço é uma área em que o potencial de risco de acumulação é relativamente fácil de visualizar e descrever, mas difícil de dimensionar e ajustar (…). A parceria para aceder às ferramentas de modelação, dados e especialistas da CyberCube complementa muito bem as competências internas que desenvolvemos nos últimos anos.”

Essa é já a segunda parceria que a Hiscox concretiza este ano. A seguradora sediada nas Bermudas e cotada na bolsa de Londres assinou há duas semanas outro contrato com o desenvolvedor de software de seguros Concirrus, para melhorar a área de subscrição através de uma ferramenta de análises de dados (de base comportamental) para o seguro marítimo (Quest Marine Hull).

A CyberCube integra o segmento das tecnológicas SaaS (Software as a Service) tendo desenvolvido a referida plataforma inteligente de análise de risco cibernético e modelação dirigida ao setor segurador. Por seu lado, a Hiscox posiciona-se como especialista global em seguro e resseguro, oferecendo uma carteira diversificada de produtos com operações em 14 países.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Hiscox integra solução da CyberCube para gerir risco cibernético

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião