Vodafone desiste de fazer parte da moeda virtual do Facebook

A Vodafone tornou-se a oitava empresa a desistir de integrar o consórcio que está a desenvolver a Libra. Renúncia é mais um passo atrás no projeto do Facebook.

Há uma nova baixa na criptomoeda do Facebook. A Vodafone é a oitava empresa a desistir do consórcio que está a desenvolver o projeto, seguindo os passos de empresas como a Visa e a MasterCard, anunciou a operadora num comunicado citado pelo Expansión.

“Podemos confirmar que a Vodafone já não é membro da Associação Libra”, indicou fonte oficial da empresa, referindo-se a um consórcio fundado por 29 empresas, incluindo a luso-britânica Farfetch. PayPal, eBay, Stripe, Visa, MasterCard, Booking Holdings e Mercado Pago já tinham renunciado ao projeto.

A desistência da Vodafone é mais um passo atrás no projeto do Facebook para criar uma moeda universal, que servirá para pagamentos e transferências na internet. A intenção é que a moeda Libra tenha valor indexado a um conjunto de ativos com valor de mercado real, mas a ideia de uma moeda universal gerida por empresas privadas não está a agradar às autoridades.

O Facebook tem encontrado resistência ao projeto em Washington (EUA), mas também em Bruxelas, com a Comissão Europeia a assumir ao ECO, no ano passado, que a empresa poderia necessitar de uma licença para poder lançar a Libra na União Europeia. O Facebook quer que a moeda comece a funcionar na primeira metade deste ano, mas os reguladores têm pedido mais esclarecimentos à empresa e exigem um travão à pretensão de Mark Zuckerberg, pelo menos enquanto todas as dúvidas não forem esclarecidas.

Os reguladores têm apontado problemas como os riscos que uma moeda universal pode trazer ao sistema financeiro mundial, bem como falta de transparência na forma como a Libra será gerida. Além disso, há receios em torno da proteção da privacidade dos utilizadores.

A rede social, por sua vez, explica que a Libra poderá facilitar o acesso a serviços financeiros que, de outra forma, não estariam acessíveis a algumas comunidades. A empresa garante também que não controlará os destinos da Libra, mas sim exercerá a mesma influência no consórcio que todos os demais membros fundadores.

Para além da Farfetch, empresas como a Uber, Lyft, Coinbase e Spotify mantêm-se na associação, resistindo às sucessivas desistências. Já a participação do Facebook na associação dá-se através de uma subsidiária chamada Calibra.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Vodafone desiste de fazer parte da moeda virtual do Facebook

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião