Dois portugueses na lista dos 100 melhores dentistas do mundo

Raquel Zita Gomes e Miguel Stanley são os únicos portugueses a integrar a "World's Top 100 Doctors in Dentistry". Trabalho e dedicação são as chaves para o sucesso.

Miguel Stanley e Raquel Zita Gomes são portugueses e estão na lista dos 100 melhores dentistas do mundo 2020, um ranking organizado pelo Global Summits Institute. Miguel Stanley tem 46 anos. Raquel Zita Gomes 42. Ambos reconhecem que esta nomeação é fruto de muito trabalho e empenho.

“Sinto-me realmente lisonjeada por ter sido selecionada numa lista tão restrita. Sinto-me muito feliz por representar Portugal, é uma conquista para a medicina dentária portuguesa”, refere ao ECO Raquel Zita Gomes.

Miguel Stanley corrobora a ideia da dentista, e destaca que o “reconhecimento resulta de todo o trabalho e dedicação” que tem vindo a desenvolver “ao longo de mais de duas décadas ligado à medicina dentária”.

Orador convidado em mais de 250 conferências, em 55 países, Miguel Stanley, foi o primeiro dentista na história a fazer um documentário na National Geographic. “Quero representar pelo mundo o melhor da medicina dentária portuguesa”, refere ao ECO Miguel Stanley.

O dentista licenciou-se em 1998 em cirurgia dentária na Escola Superior de Saúde Egas Moniz e realizou posteriormente pós-graduações em Implantologia em Madrid. Miguel Stanley tem carteira profissional há 22 anos e está habilitado a exercer em Portugal, no Reino Unido e no Dubai. É autor de vários artigos científicos e proprietário da White Clinic que faz, este ano, 20 anos. É um rosto conhecido pelos portugueses através de programas de televisão como “Doutor preciso de ajuda” e também como o “responsável” pela reconstrução do sorriso de Cristiano Ronaldo, sendo o dentista do melhor jogador do mundo há 12 anos.

Raquel Zita Gomes é nortenha de gema, está ligada há 18 anos à medicina dentária e é reconhecida internacionalmente como especialista na áreas da implantologia e cirurgia oral. Licenciou-se em 2002, na Faculdade de Medicina Dentária no Porto, e foi nesta instituição que concluiu o seu doutoramento em 2017. Conta com duas pós-graduações na Suécia e já palestrou várias conferências em mais de 25 países.

A dentista considera que foi um caminho repleto de esforços e sacrifícios. “Tudo o que consegui foi graças ao meu esforço. Ter conseguido fazer estes títulos académicos todos e, ao mesmo tempo estar a trabalhar, ser mãe, mulher e empreendedora foi uma conquista muito grande”, destaca Raquel Zita Gomes.

Raquel Zita Gomes destaca que existem muitas médicas dentistas mas “que, nos cargos de chefia, docência e presença em palcos internacionais, as mulheres dentistas contam-se pelos dedos”. Refere com orgulho que “ser uma mulher no mundo de homens e ser uma inspiração para outras mulheres é uma vitória”, e refere estar determinada em tentar que esse paradigma se altere e que não seja “um mundo tão machista”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Dois portugueses na lista dos 100 melhores dentistas do mundo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião