Banca deve ser “diligente na prevenção do branqueamento de capitais”, diz o governador Carlos Costa

O governador do Banco de Portugal destacou a eficiência dos bancos no branqueamento de capitais entre os principais desafios que a banca enfrenta.

Carlos Costa, governador do Banco de Portugal, destacou a importância do combate ao branqueamento de capitais, entre os principais desafios que identifica no futuro da banca portuguesa. E, neste âmbito, diz ser necessário que os bancos sejam “diligentes e eficazes” nesse combate.

O alerta do regulador foi feito esta quinta-feira durante a “Banking Summit”, um evento organizado pela Associação Portuguesa de Bancos (APB), subordinado ao tema “Que banca queremos em Portugal?”. Durante a apresentação, o responsável do supervisor do sistema bancário português começou por dizer que é necessário que “os bancos interiorizem e antecipem a dinâmica regulatória e que façam do respeito das regras da supervisão não só uma obrigação, mas também uma vantagem competitiva geradora de confiança do mercado”.

Entre os vários pontos que destacou nesse quadro, não passou ao lado do tema que tem estado na ordem do dia e que saltou para a ribalta após o escândalo do Luanda Leaks que envolve Isabel dos Santos e, também, o EuroBic.

Sem referir casos concretos, Carlos Costa apelou, contudo, a que os bancos sejam “diligentes e eficazes na prevenção do branqueamento de capitais e do financiamento do terrorismo”.

Cumpre aos bancos cumprir a lei 83/2017″, especificou o governador do Banco de Portugal, referindo-se à lei que estabelece medidas de combate ao branqueamento de capitais e ao financiamento do terrorismo, e que prevê que os bancos comuniquem às autoridades operações financeiras suspeitas, podendo mesmo suspendê-las.

Carlos Costa disse ainda que “os bancos têm de assegurar que as linhas de defesa se encontram plenamente operacionais e focadas na sustentabilidade das instituições e na salvaguarda da confiança pública na sua atividade”, sublinhando que “só dessa forma conseguirão evitar a materialização de eventos que ponham em causa a sua solidez financeira e a confiança pública”.

(Notícia atualizada pela última vez às 17h45)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Banca deve ser “diligente na prevenção do branqueamento de capitais”, diz o governador Carlos Costa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião