Coronavírus. Hi Fly parte de Beja para repatriar europeus

  • Lusa
  • 30 Janeiro 2020

Hi Fly foi fretada para fazer o resgate de cidadãos europeus em território chinês. Primeiro voo “sai do aeroporto de Beja às 10h00 desta quinta-feira.

A companhia aérea portuguesa Hi Fly vai iniciar, esta quinta-feira, o repatriamento de cidadãos europeus desde Wuhan, a cidade chinesa onde surgiu o novo coronavírus, e os aviões fretados deverão partir do aeroporto de Beja.

De acordo com o diário, “a portuguesa Hi Fly foi fretada para fazer o resgate de cidadãos europeus em território chinês”, acrescentando que o primeiro voo “sai do aeroporto de Beja às 10h00” de quinta-feira e deverá aterrar no Vietname.

Fonte da tripulação que vai viajar neste voo confirmou à Lusa que alguns elementos foram chamados para participar no voo e que a aeronave vai aterrar no Vietname, seguindo depois para a China.

A pista do aeroporto de Beja – a única infraestrutura aeroportuária em Portugal capaz de acolher a maior aeronave comercial do mundo (A380) – tem mais duas horas reservadas para voos, posteriores à partida do primeiro.

A Lusa contactou os ministérios dos Negócios Estrangeiros e da Defesa Nacional, a Força Aérea Portuguesa, a ANA Aeroportos de Portugal e a companhia aérea Hi Fly, mas não conseguiu confirmar informações sobre quaisquer voos fretados.

Depois de sair de Portugal, o avião vai rumar a França, “onde entrarão cerca de três dezenas de operacionais – entre médicos, autoridades e técnicos de saúde” -, seguindo depois para o Vietname.

“Às 11h00 e às 15h00 poderão ocorrer mais voos da Hi Fly” com o mesmo objetivo. A aeronave que deverá partir às 11:00 “também faz escala em França”, mas o voo seguinte deverá rumar a Bruxelas, na Bélgica, de onde seguirá com destino ao Vietname.

O Jornal de Notícias questionou a diretora-geral da Saúde, Graça Freitas, sobre um eventual apoio das autoridades de saúde portuguesas, tendo a responsável confirmado que este organismo vai “enviar técnicos para explicar às tripulações portuguesas quais os comportamentos a adotar” neste tipo de operação.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Coronavírus. Hi Fly parte de Beja para repatriar europeus

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião