Idade da reforma sobe um mês. Para se reformar em 2021 terá de trabalhar até aos 66 anos e seis meses

Tendo em conta a esperança média de vida aos 65 anos de idade no ano passado, a idade da reforma será de 66 anos e seis meses. Sobe mais um mês face ao ano passado.

Quer reformar-se? Este ano (2020), a idade legal para o fazer é de 66 anos e cinco meses. Mas em 2021 vai ter de trabalhar mais um mês, de acordo com a portaria publicada esta sexta-feira, em Diário da República. Por outro lado, as pensões vão estar sujeitas a um corte de 14,57%.

“Tendo sido apurado e publicitado pelo Instituto Nacional de Estatística o indicador da esperança média de vida aos 65 anos de idade relativo ao ano de 2019, está o Governo em condições de determinar o fator de sustentabilidade a vigorar durante o ano de 2020, bem como a idade normal de acesso à pensão de velhice a vigorar em 2021”, pode ler-se na portaria.

“Assim, considerando que o indicador da esperança média de vida aos 65 anos verificado no triénio 1998-2000 foi de 16,63 anos e no triénio 2017-2019 se fixou nos 19,61 anos, o fator de sustentabilidade aplicável às pensões de velhice iniciadas em 2020 é de 0,8480“, refere o diploma o que significa que as pensões vão sofrer um corte de 15,2%, o que representa uma subida face aos 14,67% em vigor em 2020.

A portaria revela ainda que, no próximo ano, vai ser necessário trabalhar mais um mês. “Tendo em conta os efeitos da evolução da esperança média de vida aos 65 anos verificada entre 2018 e 2019 na aplicação da fórmula (…), a idade normal de acesso à pensão de velhice do regime geral de segurança social em 2021 é 66 anos e 6 meses“, explica a portaria que produz efeitos a partir de 1 de janeiro de 2020.

Recorde-se que em 2020 e 2019 a idade em vigor foi de 66 anos e cinco meses e, em 2018, era de 66 anos e quatro meses.

(Notícia corrigida às 10h20)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Idade da reforma sobe um mês. Para se reformar em 2021 terá de trabalhar até aos 66 anos e seis meses

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião