Fazer “check-in” na gestão da mudança

“Sharing My Change: Viagem pela gestão da mudança” é um manual de recomendações para quem está prestes a embarcar (ou já terminou a viagem) num processo de mudança.

Seis capítulos reúnem testemunhos de sucesso e fracasso, contados na primeira pessoa por especialistas e gestores de recursos humanos, profissionais em cargos executivos de grandes empresas e, ainda, um maestro. Ao longo do livro, os leitores são acompanhados pela “tripulação”, composta por Maria João Martins e Teresa Fialho, membros da comissão executiva da consultora My Change, e Pedro Ramos, diretor de recursos humanos do grupo TAP.

“Sharing My Change: Viagem pela gestão da mudança”, faz uma analogia aos passos obrigatórios para quem viaja de avião. No prefácio, ou “check in”, Sérgio Luciano, CEO da Quilaban, reúne textos de reflexão sobre liderança, mudança, confiança e human skills, tendo por base textos clássicos como o “Alice no país das maravilhas”, de Lewis Carroll ou “O modelo da confiança”, de Ken Blanchard.

No capítulo “destino de sonho”, leem-se histórias de mudança e transformação nas organizações, e no “piloto automático” percebemos como líderes e gestores “pilotam” a mudança e a liderança no dia-a-dia das suas funções. Também é importante refletir sobre “o que levar na mochila”, e neste capítulo encontramos testemunhos sobre o processo de recrutamento, atração e retenção de jovens talentos nas empresas. No “vip lounge”, os autores são convidados para pensar sobre os vários caminhos da mudança.

Editora: Editora RH

Páginas: 143

O que dizem os “protagonistas” da mudança

  • “Já temos ouvido que as pessoas muitas vezes deixam a organização onde estão porque desistiram de quem as lidera, e não porque detestam a sua empresa”, Rita Resendes, responsável pela área de people development da Fidelidade.
  • “Uma equipa motivada, que conhece o seus objetivos e da organização, que tenha presentes noções como competitividade, excelência, cumprimento de prazos e de expectativas, está claramente bem encaminhada para contribuir decisivamente para a transformação das empresas”, Ângelo Ramalho, CEO da Efacec.
  • “A felicidade de uma empresa dá muito trabalho e necessita da mudança certa”, Ricardo Parreira, CEO da PHC Software.
  • “A comunicação é um exercício de humildade porque, quando nos expomos à comunicação, expomo-nos à pergunta, ao desafio da discussão”, António Pedro Silva, responsável pela rede de lojas CTT.
  • “Se se fizerem várias pequenas melhorias, elas acabarão por se tornar gigantes”, Rod Judkins, professor na Escola de Artes Central Saint Martins, em Inglaterra.
  • “A transformação nem sempre tem a velocidade que queremos no início. Esta tem muito que ver com a velocidade que a reação da estrutura e da sociedade imprime, deixando avançar ou resistindo”, António Martins da Costa, administrador executivo do grupo EDP.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fazer “check-in” na gestão da mudança

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião