Vinci fatura quase 900 milhões com aeroportos nacionais

  • ECO
  • 5 Fevereiro 2020

ANA gerou 894,54 milhões de euros em receitas, um aumento de 7% face ao ano anterior. EBITDA cresceu para 586,4 milhões de euros.

Com o turismo em crescimento, há cada vez mais aviões a aterrar e a levantar nos aeroportos nacionais. São muitos os milhões de passageiros que passam chegam e partem destes — 59,12 milhões –, gerando receitas cada vez maiores para a ANA – Aeroportos de Portugal. Só no ano passado, a Vinci Airports, que detém a concessão, arrecadou quase 900 milhões.

De acordo com as contas da Vinci, citadas pelo Jornal de Negócios (acesso pago), a ANA gerou 894,54 milhões de euros em receitas, um aumento de 7% face ao ano anterior. Ao mesmo tempo, o EBITDA atingiu, em 2019, os 586,4 milhões de euros, valor que traduz um crescimento de 5,6% face ao registado nos mesmos 12 meses de 2018.

A ANA continua, assim, a crescer, gerando mais receitas e EBITDA para a Vinci Airports, mas também mais lucros, embora ainda não sejam conhecidos os resultados líquidos da gestora de aeroportos nacional em 2019.

A ANA foi concessionada aos franceses em 2012, por um período de 50 anos. À data, com o Governo de Passos Coelho — e com a troika no país — pagou 3.080 milhões de euros, com 700 milhões de dívida, um negócio que tem sido alvo de duras críticas por parte do atual Executivo.

A privatização da ANA foi, recentemente, apelidada de “danosa” para os interesses do Estado por Pedro Nuno Santos. “Foi um péssimo negócio para o Estado. Foi a privatização mais danosa para o interesse público e não há forma mais doce de o dizer”, disse o ministro das Infraestruturas. “Podemos estar a falar do negócio com a maior taxa de rentabilidade do país”, atirou, em entrevista ao Expresso.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Vinci fatura quase 900 milhões com aeroportos nacionais

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião