Défice comercial aumenta em 2,8 mil milhões em 2019. Importações crescem

As importações cresceram mais do que as exportações no ano passado, agravando o défice da balança comercial, adianta o INE.

O défice da balança comercial de bens aumentou 2.842 milhões de euros em 2019, sendo que as importações cresceram mais do que as exportações, que abrandaram, de acordo com os dados revelados esta sexta-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).

No conjunto do ano de 2019, as exportações aumentaram 3,6%, enquanto as importações de bens cresceram 6,6%, o que representa uma desaceleração face a 2018, quando subiram 5,1% e 8,1%. O défice comercial atingiu assim os 20.399 milhões de euros em 2019.

Excluindo os combustíveis e lubrificantes, continua a verificar-se um crescimento superior das importações, segundo a análise do gabinete de estatísticas. Ainda assim, o défice da balança comercial sem incluir esta categoria seria inferior, situando-se nos 14.954 milhões de euros.

Já no último mês do ano passado, as exportações aumentaram 5,4% e as importações 1,2%, em relação ao mesmo período do ano anterior, em termos nominais. Para o desempenho das exportações contribuiu o acréscimo de 38,5% dos combustíveis e lubrificantes, e o decréscimo dos automóveis para transporte de passageiros em 26,2%.

A diminuição das exportações de automóveis no último mês do ano passado deve-se à comparação com a “elevada exportação registada em dezembro de 2018, após o desbloqueio da saída destes bens do porto de Setúbal”, já que foi o mês seguinte à greve de estivadores, explica o INE.

(Notícia atualizada às 11h40)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Défice comercial aumenta em 2,8 mil milhões em 2019. Importações crescem

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião