Aeroporto de Lisboa tem nova área de controlo. SEF aposta no reconhecimento facial

  • Lusa
  • 10 Fevereiro 2020

O Aeroporto Humberto Delgado tem uma nova área de controlo de chegadas do SEF. Usa a tecnologia do reconhecimento facial para controlo automático da fronteira.

Uma nova área de controlo de chegadas do SEF no aeroporto de Lisboa entrou em funcionamento esta segunda-feira, destinada essencialmente aos voos do Reino Unido, Estados Unidos, Canadá e Croácia.

Segundo o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF), neste novo espaço do Aeroporto Humberto Delgado foram colocadas sete posições de controlo de passageiros, duas das quais e-gates para controlo automatizado de fronteira, que pretendem reduzir as filas de espera e assegurar “um mais rápido controlo” na chegada dos passageiros.

O SEF escolheu um voo proveniente do Reino Unido para assinalar a entrada em funcionamento destes equipamentos eletrónicos, numa cerimónia em que marcaram presença o ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, o secretário de Estado Adjunto e das Comunicações, Alberto Souto de Miranda, o presidente do conselho de administração da ANA – Aeroportos de Portugal, José Luís Arnault, e a diretora do SEF, Cristina Gatões.

A diretora do SEF explicou aos jornalistas que a nova área vai permitir o processamento de 700 passageiros por hora e cerca de 30 voos por dia.

Estes sete equipamentos eletrónicos fazem parte dos 49 e-gates de nova geração que o SEF adquiriu e que vão entrar em funcionamento nas próximas semanas nos aeroportos de Faro e Madeira e que permite processar “de forma mais célere a leitura dos passaportes com dados biométricos”.

Para o Porto também está prevista a entrada em funcionamento deste sistema, mas ainda não há data. “Esta resposta tecnológica vale cerca de cinco milhões de euros de investimento publico em 49 novas posições de controlo eletrónico”, disse aos jornalistas o ministro da Administração Interna, adiantando que a maior colocação destas estruturas vai acontecer no aeroporto do Porto, numa total de 16 novas unidades, devido ao seu crescimento.

Eduardo Cabrita explicou que estes novos equipamentos inserem-se na “melhoria das condições do aeroporto de Lisboa”, frisando que há dois anos desenvolveu um plano de ação que foi apresentado à ANA e que determinava “um conjunto de alterações que eram necessárias nos aeroportos portugueses para melhorar as condições de receção de passageiros oriundos de espaço não Schengen”.

O ministro destacou que uma dessas respostas tem sido também o recrutamento de inspetores para o SEF, considerando que foi “o maior desde 2005”. Eduardo Cabrita enalteceu ainda a “capacidade de resposta” que os inspetores do SEF têm dado ao crescimento do número de passageiros. Segundo o governante, o número de passageiros controlados pelo SEF no aeroporto de Lisboa passou de cerca de 10 milhões em 2015 para 18 milhões em 2019.

Por sua vez, o presidente do conselho de administração da ANA afirmou aos jornalistas que esta nova área “vai seguramente ajudar a melhorar o problema das filas na entrada do aeroporto de Lisboa na área de controlo de fronteiras”.

Ressalvando que a questão das filas no controlo de fronteiras é da responsabilidade do SEF e não da ANA, José Luís Arnault reconheceu que esta situação “é de facto um problema” que tem sido melhorado. No entanto, precisou que esta situação persiste e, como exemplo, referiu que, no mês de janeiro, registou-se “uma média de uma hora e sete minutos de espera nas horas de ponta”.

“Estamos confiantes que com estes melhoramentos e novas tecnologias e com estes investimentos que se possa contribuir para diminuir a situação, que é uma situação que não deixa ninguém contente”, disse ainda.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Aeroporto de Lisboa tem nova área de controlo. SEF aposta no reconhecimento facial

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião