Bruxelas mantém previsões para Portugal. Vê PIB a crescer 2% em 2019

As previsões mais atuais para Portugal indicam que o PIB pode ter crescido acima do previsto pelo Governo em 2019. Boa notícia pode ser confirmada amanhã pelo INE.

A Comissão Europeia manteve inalteradas as previsões para o crescimento da economia portuguesa para os anos de 2019 a 2021. Apesar disso, e tendo em conta que Bruxelas atualizou as projeções com informação recolhida até 4 de fevereiro, esta pode acabar por ser uma boa notícia para o Governo que prevê que o PIB tenha aumentado 1,9% no ano passado, mas que o executivo comunitário vê a crescer 2%.

Uma expansão melhor do que a projetada pelo Governo pode ser confirmada esta sexta-feira, quando o Instituto Nacional de Estatística (INE) publicar a estimativa rápida para o quarto trimestre. A Comissão antecipa que a economia tenha crescido 0,5% no último trimestre do ano passado face aos três meses anteriores.

Para 2020 e 2021, a Comissão antecipa, tal como no outono passado, um crescimento económico de 1,7% em cada um dos anos, o que se traduz num abrandamento face ao desempenho da atividade económica no ano passado.

As previsões para a Zona Euro apontam para um crescimento de 1,2% em cada um dos anos entre 2019 e 2021, o que se traduz numa revisão em alta de uma décima no PIB do ano passado face às previsões de outono. Em janeiro, o Fundo Monetário Internacional (FMI) cortou as previsões de crescimento para a Zona Euro em uma décima para 1,3% este ano. Isto significa que apesar da revisão em baixa feita pela instituição sedeada em Washington, Bruxelas continua mais pessimista. O Governo acredita que o PIB cresce este ano 1,9%, a previsão mais otimista entre as instituições que a acompanham a economia portuguesa.

Para a manutenção das previsões da Comissão Europeia para a Zona Euro contribuíram uma previsão quanto aos riscos que pairam sobre o bloco do euro semelhante à verificada nas previsões de outono, embora a composição seja ligeiramente diferente.

O executivo comunitário vê mais clareza nas relações comerciais entre a China e os EUA, bem como uma definição quanto ao impacto do Brexit no curto prazo. No entanto, ainda vê incerteza quanto às relações do longo prazo entre o Reino Unido e a UE. Quanto ao impacto que o coronavírus pode ter na economia a nível mundial, a Comissão Europeia olha para esta questão como um possível risco descendente mas sem afetar a economia para já.

As previsões intercalares de inverno da Comissão Europeia atualizam apenas o PIB e a inflação para o conjunto dos estados-membros da União Europeia.

(Notícia atualizada às 10h32 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bruxelas mantém previsões para Portugal. Vê PIB a crescer 2% em 2019

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião