Procura de petróleo “duramente atingida” pelo coronavírus

  • Lusa
  • 13 Fevereiro 2020

Procura pela matéria-prima vai contrair-se pela primeira vez em mais de uma década no primeiro trimestre.

A Agência Internacional da Energia (AIE) assegurou hoje que a procura global de petróleo foi “duramente atingida” pela propagação do coronavírus e adiantou que a mesma se contrairá pela primeira vez em mais de uma década no primeiro trimestre.

No relatório mensal, a AIE calcula que a procura de petróleo vai cair no primeiro trimestre em 435.000 barris por dia face ao mesmo período do ano passado e estimou que o crescimento em 2020 será de apenas 825.000 barris por dia (menos 365.000 que o previsto), o menor aumento desde 2011.

O organismo dependente da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) reconhece que ainda é difícil precisar qual será o impacto do covid-19 sobre o mercado do petróleo, ainda que as estimativas pressuponham um progressivo regresso à normalidade no segundo trimestre.

Desde o início da epidemia registou-se “uma significativa desaceleração do consumo de petróleo e da economia chinesa”, segundo a AIE, levando a organização a prever que as repercussões do coronavírus sobre a procura serão “significativas”.

“As consequências vão variar segundo o passar do tempo, com um impacto inicial nos transportes e nos serviços, provavelmente seguido pela indústria chinesa e finalmente pelas exportações e a economia no seu conjunto”, defende a AIE.

Depois da contração da procura prevista para o primeiro trimestre, a primeira desde a segunda metade de 2009, em plena crise financeira global, espera-se uma normalização no terceiro trimestre do ano, “provavelmente beneficiada pelas medidas de estímulo económico da China”.

A AIE parte de um cenário baseado no surto do SARS em 2003, em que a epidemia possa ser controlada antes do verão no hemisfério norte, se bem que alerte que “há poucas dúvidas de que o vírus terá um impacto maior sobre a economia e o petróleo que o SARS”, devido ao maior impacto global de uma desaceleração na China.

A AIE também sublinha as consequências do covid-19 sobre o transporte aéreo, especialmente na China, cujo tráfego de voos internacionais recuou 70% e de voos nacionais 50% nas primeiras fases da emergência sanitária, com os consequentes efeitos no consumo de petróleo.

As previsões negativas da AIE juntam-se ao relatório da OPEP divulgado na quarta-feira que prevê que o consumo de petróleo em 2020 seja 19% inferior ao calculado até agora.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Procura de petróleo “duramente atingida” pelo coronavírus

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião