Como o calendário pode ajudar a mascarar o PIB da Zona Euro em 2020

Bruxelas vê o euro a estabilizar, com as novas previsões a apontarem para um crescimento de 1,2% em 2019, 2020 e 2021. Mas os números escondem um calendário que dá mais dias ao PIB deste ano.

A Comissão Europeia apresentou uma Zona Euro estável a crescer 1,2% em cada um dos anos entre 2019 e 2021. Mas nas entrelinhas deixou um aviso: o calendário deste ano na Alemanha — o motor do euro –, mas também noutros países, ajuda a mostrar um PIB mais gordo. Sem este efeito, o PIB crescia apenas 1%.

Esta estabilidade mascara um contributo importante do efeito de calendário em 2020, que é um ano bissexto com um número particularmente elevado de dias de trabalho em vários Estados-membros”, diz a Comissão nas previsões intercalares de inverno publicadas esta quinta-feira. Este efeito já tinha sido considerado em previsões anteriores. Face ao outono, as previsões para a Zona Euro mantiveram-se iguais para este ano e o próximo.

Numa nota metodológica, Bruxelas explica com maior detalhe que efeito calendário é este e como ele é tratado por quem faz previsões económicas na Comissão. “O número de dias de trabalho varia de ano para ano” e “as previsões da Comissão para o PIB anual não são ajustadas do número de dias de trabalho”, ao contrário do que acontece nas previsões trimestrais.

“É estimado que o efeito do número de dias de trabalho na União Europeia (UE) e na Zona Euro seja limitado em 2019 e em 2021”, o que resulta numa diferença de cerca de 0,1 pontos percentuais entre a taxa de crescimento do PIB ajustada dos dias de trabalho e a taxa de crescimento do PIB não ajustada. Para a Comissão esta é uma diferença “marginal”.

Mas este ano, o impacto do calendário na economia é outro. “Em 2020, um número mais elevado de dias de trabalho na Alemanha e noutros países proporciona a criação de um efeito positivo de calendário excecionalmente forte”, justifica a Comissão, acrescentando que a previsão não ajustada para o PIB (os 1,2%) “é mais elevada do que a previsão ajustada do calendário para 2020 em aproximadamente 1/4 pontos percentuais na Zona Euro”.

Ou seja, sem este impulso de calendário a economia do euro cresce 1% (que resulta do arredondamento de 0,95%), em vez de 1,2%.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Como o calendário pode ajudar a mascarar o PIB da Zona Euro em 2020

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião