16 países da UE crescem mais que Portugal. Maiores parceiros comerciais estão pior

As novas previsões da Comissão Europeia colocam Portugal na 17.ª posição na lista dos países da UE. Motores do euro e principais parceiros comerciais crescem menos que Portugal.

A economia portuguesa avança mais que a média da União Europeia (UE) este ano, mas quando ordenada a lista dos estados-membros do que mais cresce para o que menos cresce, Portugal ocupa a 17.ª posição no ranking de 27 países que formam o bloco europeu.

Bruxelas publicou esta quinta-feira as previsões intervalares de inverno onde atualiza as projeções apresentadas no outono passado. Nas contas do executivo comunitário, o PIB português sobe este ano 1,7%, acima dos 1,4% previstos para a UE e dos 1,2% na Zona Euro.

À frente de Portugal, na comparação entre todos os países, estão Malta, com uma previsão de crescimento económico de 4%, ocupando assim o primeiro lugar no ranking dos estados-membros. Para a Irlanda, Chipre e Grécia – que atravessaram processos de ajustamento -, Bruxelas antecipa aumentos do PIB de 3,6%, 2,8% e 2,4%, respetivamente.

Apesar de Portugal estar a crescer acima das médias comunitárias (tanto UE como Zona Euro), a comparação com os principais parceiros comerciais é desfavorável. A Comissão vê Espanha a crescer 1,6%, menos uma décima que Portugal, a Alemanha e a França a crescer apenas 1,1%. A estes países junta-se a Itália — outro dos países com maior peso no conjunto da UE e da Zona Euro — que deverá ver o PIB a subir apenas 0,3%.

Embora na UE e na ZE, as previsões da Comissão apontem para uma estabilização entre 2019 e 2020 — com crescimentos de 1,4% e 1,2% em cada um dos blocos para cada um dos anos –, são 20 os países onde se regista um abrandamento (entre eles Portugal), cinco aqueles onde este ano será melhor que o anterior e dois onde se manterá igual.

 

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

16 países da UE crescem mais que Portugal. Maiores parceiros comerciais estão pior

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião